DN Digital
Cidades
29/06/13 - Cidades > Local

ESCRITORA


Membro-fundadora da APL é escolhida para fazer parte de livro que será entregue ao papa

Escritora e jornalista, Cristina Leite faz parte da Academia Paranavaiense de Letras e terá um de seus textos publicado em coletânea preparada especialmente para o papa Francisco

Membro-fundadora da APL é escolhida para fazer parte de livro que será entregue ao papa Em livro editado pelo Museu Militar Conde Linhares, e autora tem poesias, trovas e soneto
Foto: Fabiano Fracarolli

“Lágrimas simulam vidro em agudo
Esvaziar lamentoso e gemente
De corpo árido a derramar somente
Pingos disformes em chão seco, mudo”

Os versos são do soneto Água Santa, escrito por Cristina Leite, e fazem parte de uma coletânea de poesias e trovas organizado pelo Centro de Expressões Culturais do Museu Militar Conde Linhares, do Rio de Janeiro. O lançamento do livro Mostra Literária Volume 1 aconteceu no dia 20 deste mês e contou com a presença da escritora, que é membro-fundadora da Academia Paranavaiense de Letras (APL).
Cristina Leite empresta poesias, soneto e trovas à obra. E divide a publicação com renomados escritores de todo o Brasil, entre os quais está sua mãe, Dinair Leite, que é presidente da União Hispanoamericana de Escritores. De acordo com Cristina, o livro é uma homenagem prestada pelo Exército Brasileiro aos autores.
Mas o reconhecimento pelo trabalho de Cristina foi mais além. Ela foi escolhida para fazer parte da lista de ilustres escritores que comporão um livro histórico de textos religiosos. A edição será entregue ao papa Francisco e integrará a Biblioteca do Vaticano.
“É uma honra muito grande, uma emoção indescritível” diz Cristina, que também é jornalista. Ela conta que ficou surpresa com o convite, e afirma que participar de um momento histórico, como a vinda do papa ao Brasil, é motivo para comemorar.
HISTÓRIA - Integrante do Movimento Poético Nacional há cerca de 20 anos, Cristina Leite sempre sonhara com a fundação da Academia Paranavaiense de Letras. Uniu forças com outros artistas da cidade, conseguindo chamar a atenção da Academia Paranaense de Letras, quando o presidente era Túlio Vargas.
Ele tinha uma proposta: descentralizar a Academia e chegar ao interior do Estado. Assim o fez. E foi assim que em 2007 Paranavaí viu surgir a Academia Paranavaiense de Letras. “Para nós, que participávamos do meio cultural, este era um grande desejo”, afirma Cristina.
A escritora e jornalista se diz apaixonada pelo Festival de Música e Poesia de Paranavaí (Femup) e destaca que participa frequentemente do evento. É autora de poesias, sonetos e contos que compõem coletâneas de diferentes escritores. Também tem publicações na revista Bali, do Rio de Janeiro, e no jornal A Voz da Poesia, de São Paulo.


Fonte: REINALDO SILVA - Da Redação