DN Digital
Cidades
12/11/13 - Cidades > Local

SAÚDE PÚBLICA/URGÊNCIAS


SAMU é apresentado com promessa de salto na qualidade da assistência

O secretário de Saúde exagerou ao afirmar que Paranavaí tem a melhor saúde do Brasil, exagero apontado, inclusive, pelo prefeito Rogério Lorenzetti durante seu discurso

SAMU é apresentado com promessa de salto na qualidade da assistência O local onde ficarão as ambulâncias

Um salto na qualidade da assistência aos usuários do sistema público de saúde, sobretudo em relação ao tempo entre a solicitação e o socorro em urgências.
Esse é um dos compromissos do SAMU (Serviço de Atendimento de Urgência), cuja estrutura (chamada base descentralizada) em Paranavaí foi apresentada à imprensa ontem pela manhã. São boas instalações na Rua Souza Naves, centro da cidade. O SAMU entra em operação a partir do dia 22 deste mês. O telefone é 192, ligação gratuita, válido para toda a região.
O SAMU é a materialização de uma proposta de mais de quatro anos, quando as primeiras ambulâncias chegaram à cidade. Exclusivos para este serviço e vedados por lei para outras finalidades, os veículos permaneceram sem utilização desde então. Neste período, houve tentativas (sem sucesso) de usar, ainda que em situações emergenciais. Também houve denúncias, algumas de que estariam se deteriorando, sem a devida manutenção.  
O secretário de Saúde, Agamenon Arruda de Souza, aproveitou a apresentação do novo serviço para responder a críticos. Ele disse que três dessas denúncias chegaram até a Assembleia Legislativa, embora sem qualquer fundamento. Ele lembrou os limites da lei, embora todos queiram uma condição melhor.
O secretário defendeu a saúde pública paranavaiense, que chega a fazer 17 mil atendimentos por mês. Ele admitiu falhas, mas as creditou à falta de médicos. Disse que o município tem necessidade de contratar 12 médicos, hoje não disponíveis no mercado. São profissionais para plantões e para o Programa Saúde da Família.
Arruda de Souza descartou que o serviço possa resultar em mais filas de espera. Pelo contrário, o SAMU deve contribuir para a redução das filas do PA (Pronto Atendimento) e de outros serviços. Se baseia em informações sobre o SAMU, uma delas, divulgada através do Consórcio, indica que 70% das chamadas são resolvidas via telefone, com o suporte dado pelo profissional de saúde. Os pacientes são atendidos em uma unidade dentro dos municípios da área de atuação do SAMU.
Arruda de Souza lamentou que a reclamação “de uns 20” acabe tendo mais peso, repercutindo inclusive na imprensa. E exagerou ao afirmar que Paranavaí tem a melhor saúde do Brasil, exagero apontado, inclusive, pelo prefeito Rogério Lorenzetti durante a sua fala.
LORENZETTI DESTACA - Em um discurso longo, fora das suas características habituais, Lorenzetti também defendeu o trabalho desenvolvido na saúde municipal e o comparou ao realizado em outros centros. Em Maringá, por exemplo, a fila na saúde chega a 15 mil pessoas em alguns procedimentos.
Ele iniciou destacando que Paranavaí exerceu a sua liderança dentro do Consórcio Intermunicipal de Urgência e Emergência do Noroeste do Paraná - CIUENP (criado para gerir o SAMU), do qual é vice-presidente. O presidente é o prefeito de Umuarama, Moacir Silva.
Falou do tamanho do desafio, pontuando que o SAMU regional é um dos maiores serviços dessa natureza no país, levando em conta a área de atuação. São 85 municípios. Demonstrou otimismo lembrando que a região sai fortalecida.
A sede do SAMU será Umuarama, cidade que contará com um novo hospital e mais 100 leitos para o SUS - Sistema Único de Saúde. Também Paranavaí terá reforço com o Hospital Noroeste passando à Santa Casa.
Serão mais 100 leitos e 10 vagas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Vão se somar aos 10 leitos de UTI e os 170 leitos já existentes na atual estrutura hospitalar. Apenas na nova estrutura da Santa Casa serão 400 funcionários, relatou.
Somada a essa ampliação, o acesso facilitado a um serviço que contará com dois médicos em plantões 24 horas, além de socorristas, enfermeiros e paramédicos.
Sobre eventuais irregularidades ou falhas no serviço público, pediu que a população denuncie, uma vez que se trata de trabalho em conjunto, que depende da ação de agentes políticos e de servidores públicos. Mas, criticou denúncias vazias, com outros propósitos.
A cidade vai investir cerca de R$ 60 mil no novo serviço. Ao dizer isso, o prefeito advertiu que Paranavaí não é cidade rica. Seu orçamento (levando em conta as chamadas receitas correntes) chega a R$ 122 milhões.
Se considerado o número de habitantes (85 mil, conforme o IBGE), é de apenas de pouco mais de R$ 1.500,00 por pessoa ao ano. Por mês, ultrapassa pouco os R$ 100,00 per capita, recurso para suprir todas as necessidades (saúde, educação, transporte, segurança, etc.). Maringá, por exemplo, chega a R$ 3 mil por pessoa ao ano, complementou.
Lorenzetti lembrou ainda que o serviço público exige o cumprimento de normas rígidas, sob pena de responder civil e criminalmente. Daí, a justificativa para a lentidão em algumas vezes. Nas suas palavras, “Lei Draconiana”, referindo-se a Drácon, estadista grego (Atenas - Século VII a.C.), cujo código de leis tinha como característica o rigor e a punição severa, quando não sanguinária. Hoje a expressão “Draconiano” é utilizada para indicar exacerbação no rigor punitivo.

OUTRAS MANIFESTAÇÕES


O diretor médico da Secretaria de Saúde, Sari Omar, analisa que o SAMU vai preencher um espaço que havia na saúde regional. Lembrou que a unidade terá a Santa Casa como referência, mas utilizará toda a rede pública.
A diretora da 14ª Regional de Saúde, Verônica Francisquini Gardin, informou que serão quatro bases na região: Terra Rica - Loanda - Nova Londrina e Cruzeiro do Sul. Ela avalia que será fundamental para os programas estratégicos do Governo, incluindo o “Mãe Paranaense”.  
O vereador Claudemir Barini falou em nome da Câmara. Ele colocou o poder à disposição. Também a vereadora Zenaide Borges se manifestou, agradecendo a equipe da Saúde que faz um trabalho fundamental na cidade. Além deles, também participaram os legisladores: presidente da Câmara, Mohamad Smaili; Antônio Alves; José Galvão e Leonildo Martins.
O integrante do Conselho Municipal de Saúde, Arnoldo Luiz Victor, também falou da importância do serviço. Ele lembrou que o Conselho cumpre a sua função ao cobrar determinadas ações.

O QUE É SAMU

O SAMU faz parte da Política Nacional de Urgência e Emergência desde 2003. Ajuda a organizar o atendimento na rede pública, prestando socorro à população. Com o SAMU192, o Governo Federal está reduzindo o número de óbitos, o tempo de internação em hospitais e as sequelas decorrentes da falta de socorro precoce. O Consórcio (CIUENP) tem por objetivo gerir todo o serviço de SAMU. Foi criado em 20 de março de 2011.
TIPOS DE ATENDIMENTOS - Através do chamado 192, os profissionais realizam atendimentos de casos como: problemas cardiorrespiratórios, intoxicação, queimaduras graves, trabalhos de parto quando há risco de morte para mãe ou feto, tentativas de suicídio, crises hipertensivas, acidentes/traumas com vítimas, afogamentos, choque elétrico, acidentes com produtos perigosos, transferência inter-hospitalar de doentes com risco de morte, acidentes de trânsito, acidentes domésticos.
COMO FUNCIONA - A ligação é atendida na central de regulação por um médico, que pergunta o quadro clínico do paciente, local da ocorrência, nome da vítima e contatos. Identificado o problema, o médico regulador analisa o caso específico e passa orientações sobre como agir. A partir das informações apuradas e conforme a gravidade da situação, o médico envia uma viatura para o local. Menor gravidade (sem risco de vida) a situação é resolvida com orientações dadas ao telefone (70% dos casos).


Fonte: ADÃO RIBEIRO - Da Redação