Paranavaí
Min. 13°C Max. 28°C
CIGARROS

Paraná perde R$ 292 milhões com contrabando e mercado ilegal bate recorde no Brasil

13/07/19 00:00:00 - Cotidiano > Estadual
Paraná perde R$ 292 milhões com contrabando e mercado ilegal bate recorde no Brasil Cigarros contrabandeados significam prejuízo e risco à saúde

Os cigarros ilegais atingiram um patamar alarmante em 2018. De acordo com um levantamento feito pelo Ibope cerca de 59% de todos cigarros que circulam no Paraná são contrabandeados, vindos do Paraguai. Esse volume equivale a cerca de R$ 292 milhões que os cofres públicos do estado deixaram de arrecadar em ICMS.
A pesquisa indica também que, pela primeira vez desde 2011, a evasão de impostos no país que deixam de ser recolhidos em função do mercado ilegal de cigarros (R$ 11,5 bilhões) será maior do que a arrecadação (R$ 11,4 bilhões). O valor que deixa de ser arrecadado é 1,6 vez superior ao orçamento da Polícia Federal para o ano, e poderia ser revertido para a construção de 121 mil casas populares ou 6 mil creches.
De 2015 a 2018, o mercado ilegal deste produto no Estado cresceu 10% em volume – atingindo 4 bilhões de unidades de cigarros - e 8 pontos percentuais em participação de mercado. De acordo com estimativas da indústria, 70% do aumento do mercado ilegal de cigarros, entre 2014 e 2017, concentraram-se em 10 municípios: Curitiba, Paranaguá, Londrina, São José dos Pinhais, Maringá, Pinhais, Colombo, Araucária, Guarapuava e Cascavel.
Dominado por quadrilhas de criminosos, o contrabando de cigarros é fonte de financiamento para outros crimes como o tráfico de drogas, armas e munições. Em 2018, as duas marcas mais vendidas no país são contrabandeadas do Paraguai: Eight, campeã de vendas com 15% de participação de mercado, e Gift, com 12%. Outras duas marcas fabricadas no país vizinho compõe a lista dos 10 cigarros mais vendidos: Classic e San Marino (ambas com 3% de mercado). A marca contrabandeada mais popular no Paraná é a Classic, que com 34% de market share é a mais vendida, à frente de todas as marcas produzidas legalmente no Brasil.
A pesquisa ainda aponta que, considerando todo o país, o mercado ilegal de cigarros atingiu um patamar inédito. Em 2018, de acordo com levantamento do instituto, 54% de todos os cigarros vendidos no país são ilegais, um crescimento de seis pontos percentuais em relação ao ano anterior. Desse total, 50% foram contrabandeados do Paraguai e 5% foram produzidos por empresas que operam irregularmente no país.
TRIBUTAÇÃO - O principal estímulo a esse crescimento é a enorme diferença tributária sobre o cigarro praticada nos dois países. O Brasil cobra em média 71% de impostos sobre o cigarro produzido legalmente no país, chegando a até 90% em alguns estados, enquanto que no Paraguai as taxas são de apenas 18%, a mais baixa da América Latina.
Para Edson Vismona, presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), um fator perverso decorrente do aumento no contrabando de cigarros é que, pressionados pela crise que o país enfrenta, os brasileiros que migram do mercado legal para o ilegal para poder economizar dinheiro e ao mesmo tempo aumentar o consumo. "O levantamento apontou que, mesmo gastando menos, já que os cigarros contrabandeados não seguem a política de preço mínimo estabelecida em lei, os consumidores acabam fumando, em média, um cigarro a mais por dia. Isso mostra que as políticas de redução de consumo adotadas pelo governo não estão sendo eficazes, por conta do crescimento do mercado ilegal" afirma Vismona.
"Esta é uma luta muito dura e que deve envolver a coordenação de esforços de autoridades governamentais, forças policiais e de repressão, consumidores, indústria e, claro, das entidades que lutam para a redução do tabagismo no país. Somente desta forma vamos conseguir combater a concorrência desleal e promover uma melhoria do ambiente de negócios no País com melhoria de renda, emprego, saúde pública e segurança para todos os brasileiros" acredita Edson Vismona.
O levantamento foi realizado em 208 municípios de todo o país, por meio de entrevistas presenciais e com recolhimento dos maços de forma a garantir a precisão da informação. Foram ouvidos 8.266 consumidores entre 18 e 64 anos.

Cotidiano

TECNOLOGIA

Governador reforça a ministro meta de tornar o Paraná polo agritech

MERCADO

Paraná mantém crescimento de empregos e totaliza 40.537 em sete meses

COMUNIDADE

Estado vence prêmio nacional de habitação de interesse social

ALTO PARANÁ

Prefeitura reconstrói ponte dos 100 alqueires

CÂMARA

Projeto acaba com prescrição para crime de estupro contra menores de 14 anos

PARANÁ

67% dos jovens que cumprem medidas socioeducativa farão o Encceja

PARANÁ

Treinamento internacional para emergência sanitária em febre aftosa envolve 90 propriedades

INFRAESTRUTURA

Recuperação de trecho da PR-323 beneficia 550 mil pessoas

SOCIAL

Programa "Crianças Saudáveis, Futuro Saudável" beneficia 10 mil pessoas no Paraná

CONFIANÇA

Industrial paranaense mantém otimismo em agosto

CÂMARA

Precisamos afastar de vez o fantasma da recriação da CPMF, afirma Rubens Bueno

PARANÁ

Projeto defende assistência financeira às famílias pobres com gestação múltipla

BALANÇO

TCE-PR fiscaliza in loco 67 municípios e pede restituição de R$ 18,2 mi no 1º semestre

OPORTUNIDADE

Mestrado profissional para servidores recebe inscrições até sexta-feira

TREINAMENTO

Cursos especiais preparam bombeiros do Paraná para situações extremas

CONTAS PÚBLICAS

Tribunal promove ações para estimular o controle social em todo o Paraná

CIDADANIA

Começam as audiências públicas do Plano Plurianual 2020-2023

ECONOMIA

Paraná fecha 1º semestre com alta de 2,11% nas vendas

EVENTO

Sistema Fiep promove encontro paranaense da indústria de alimentos

AGRONEGÓCIO

Paraná avança para suspender vacinação contra febre aftosa

agência dream