Paranavaí
Min. 13°C Max. 28°C
DEBATE

Especialistas criticam projeto de lei do saneamento

19/07/19 00:00:00 - Cotidiano > Estadual
Especialistas criticam projeto de lei do saneamento A reunião que debateu o tema nesta semana

A necessidade de alterar o marco regulatório do saneamento no Brasil é o ponto em comum entre as empresas públicas e privadas e o Governo Federal. Mas a proposta oficial de mudança do marco regulatório, o Projeto de Lei (PL) 3261/19, já aprovado pelo Senado e que está na pauta da Câmara Federal, tem sido bastante criticado, principalmente pelas empresas públicas e suas entidades representativas.
Para debater o assunto, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Seção Paraná promoveu reunião aberta na noite desta terça-feira (16) em Curitiba.
Os debatedores foram o presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), Roberval Tavares de Souza, o advogado da Sanepar Marcus Cavassin e o economista Carlos Werlang Lebelein, consultor da área de saneamento.
De autoria do senador Tasso Jereissati, o PL 3216 é considerado pela Abes como uma “colcha de retalhos”. “O texto tem várias emendas que vão prejudicar o setor”, critica Roberval de Souza. Ele afirma que a Abes propõe um pacto pelo saneamento que envolva entidades públicas, privadas, estaduais, municipais e toda a cadeia produtiva do setor. “Queremos juntos definir diretrizes para a construção de um texto melhor”, afirmou.
O advogado Marcus Cavassin critica que o Projeto extingue o contrato de programa, que é aquele firmado entre os municípios e as companhias estaduais. “Este é o principal problema porque praticamente obriga os municípios a privatizarem o saneamento, o que vai inviabilizar a universalização do serviço”, afirma.
Segundo Cavassin, a lógica é que a iniciativa privada opte por participar das licitações nos municípios maiores e rentáveis e não tenha interesse pelos municípios mais pobres e deficitários. “E é justamente aí que está o desafio da universalização. Hoje, a prática do subsídio cruzado permite que as companhias estaduais invistam nas cidades menores com a receita obtida nas maiores. Se o serviço for privatizado, os recursos para as cidades pequenas terão que vir dos orçamentos dos Estados”, diz.
O consultor Carlos Werlang, que tem atuado em empresas públicas e privadas em São Paulo, Santa Catarina e no Distrito Federal, afirma que o principal entrave para a melhoria do saneamento é a regulação que ainda está sendo estruturada no País.
Hoje, a regulação é feita de forma pulverizada por várias agências reguladoras, municipais ou estaduais. “Diferente do setor elétrico que tem regulação federal há mais tempo, o saneamento ainda é bastante carente de normatização”, disse.
No pacto pelo saneamento, a Abes defende o fortalecimento da regulação e que seja centralizado pela Agência Nacional de Águas (ANA). Mesmo assim, Werlang afirma que o Brasil ainda não tem um corpo técnico preparado e experiente para a regulação do saneamento. “É um processo pelo qual precisamos passar. Os consumidores e os investidores precisam ter clareza em relação à composição tarifária, à remuneração de ativos e dos investimentos”, afirma.
EQUIDADE - O pacto defendido pela Abes propõe ainda equidade entre contratos de programa (com empresas públicas) e de concessão (com empresas privadas), com metas e cláusulas que garantam equilíbrio entre o público e o privado e melhor eficiência dos serviços; a abertura das empresas públicas para o capital privado por meio de parcerias; a prática de tarifas justas; e a definição da titularidade do serviço.
O advogado Fernando Massardo, da Comissão de Direito Ambiental da OAB, que coordenou a mesa de debate, enfatizou a importância da discussão aberta sobre temas de grande interesse público, como é o saneamento.
O diretor-jurídico da Sanepar, Andrei Rech, elogiou a iniciativa da OAB de promover o debate. Também estiveram presentes Luiz Henrique Bucco, presidente da Abes-PR; Abel Demetrio, diretor-financeiro da Sanepar; Patrícia Pellanda, presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB.

Cotidiano

TECNOLOGIA

Governador reforça a ministro meta de tornar o Paraná polo agritech

MERCADO

Paraná mantém crescimento de empregos e totaliza 40.537 em sete meses

COMUNIDADE

Estado vence prêmio nacional de habitação de interesse social

ALTO PARANÁ

Prefeitura reconstrói ponte dos 100 alqueires

CÂMARA

Projeto acaba com prescrição para crime de estupro contra menores de 14 anos

PARANÁ

67% dos jovens que cumprem medidas socioeducativa farão o Encceja

PARANÁ

Treinamento internacional para emergência sanitária em febre aftosa envolve 90 propriedades

INFRAESTRUTURA

Recuperação de trecho da PR-323 beneficia 550 mil pessoas

SOCIAL

Programa "Crianças Saudáveis, Futuro Saudável" beneficia 10 mil pessoas no Paraná

CONFIANÇA

Industrial paranaense mantém otimismo em agosto

CÂMARA

Precisamos afastar de vez o fantasma da recriação da CPMF, afirma Rubens Bueno

PARANÁ

Projeto defende assistência financeira às famílias pobres com gestação múltipla

BALANÇO

TCE-PR fiscaliza in loco 67 municípios e pede restituição de R$ 18,2 mi no 1º semestre

OPORTUNIDADE

Mestrado profissional para servidores recebe inscrições até sexta-feira

TREINAMENTO

Cursos especiais preparam bombeiros do Paraná para situações extremas

CONTAS PÚBLICAS

Tribunal promove ações para estimular o controle social em todo o Paraná

CIDADANIA

Começam as audiências públicas do Plano Plurianual 2020-2023

ECONOMIA

Paraná fecha 1º semestre com alta de 2,11% nas vendas

EVENTO

Sistema Fiep promove encontro paranaense da indústria de alimentos

AGRONEGÓCIO

Paraná avança para suspender vacinação contra febre aftosa

agência dream