Paranavaí
Min. 22°C Max. 32°C
DEBATE

Especialistas criticam projeto de lei do saneamento

19/07/19 00:00:00 - Cotidiano > Estadual
Especialistas criticam projeto de lei do saneamento A reunião que debateu o tema nesta semana

A necessidade de alterar o marco regulatório do saneamento no Brasil é o ponto em comum entre as empresas públicas e privadas e o Governo Federal. Mas a proposta oficial de mudança do marco regulatório, o Projeto de Lei (PL) 3261/19, já aprovado pelo Senado e que está na pauta da Câmara Federal, tem sido bastante criticado, principalmente pelas empresas públicas e suas entidades representativas.
Para debater o assunto, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Seção Paraná promoveu reunião aberta na noite desta terça-feira (16) em Curitiba.
Os debatedores foram o presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), Roberval Tavares de Souza, o advogado da Sanepar Marcus Cavassin e o economista Carlos Werlang Lebelein, consultor da área de saneamento.
De autoria do senador Tasso Jereissati, o PL 3216 é considerado pela Abes como uma “colcha de retalhos”. “O texto tem várias emendas que vão prejudicar o setor”, critica Roberval de Souza. Ele afirma que a Abes propõe um pacto pelo saneamento que envolva entidades públicas, privadas, estaduais, municipais e toda a cadeia produtiva do setor. “Queremos juntos definir diretrizes para a construção de um texto melhor”, afirmou.
O advogado Marcus Cavassin critica que o Projeto extingue o contrato de programa, que é aquele firmado entre os municípios e as companhias estaduais. “Este é o principal problema porque praticamente obriga os municípios a privatizarem o saneamento, o que vai inviabilizar a universalização do serviço”, afirma.
Segundo Cavassin, a lógica é que a iniciativa privada opte por participar das licitações nos municípios maiores e rentáveis e não tenha interesse pelos municípios mais pobres e deficitários. “E é justamente aí que está o desafio da universalização. Hoje, a prática do subsídio cruzado permite que as companhias estaduais invistam nas cidades menores com a receita obtida nas maiores. Se o serviço for privatizado, os recursos para as cidades pequenas terão que vir dos orçamentos dos Estados”, diz.
O consultor Carlos Werlang, que tem atuado em empresas públicas e privadas em São Paulo, Santa Catarina e no Distrito Federal, afirma que o principal entrave para a melhoria do saneamento é a regulação que ainda está sendo estruturada no País.
Hoje, a regulação é feita de forma pulverizada por várias agências reguladoras, municipais ou estaduais. “Diferente do setor elétrico que tem regulação federal há mais tempo, o saneamento ainda é bastante carente de normatização”, disse.
No pacto pelo saneamento, a Abes defende o fortalecimento da regulação e que seja centralizado pela Agência Nacional de Águas (ANA). Mesmo assim, Werlang afirma que o Brasil ainda não tem um corpo técnico preparado e experiente para a regulação do saneamento. “É um processo pelo qual precisamos passar. Os consumidores e os investidores precisam ter clareza em relação à composição tarifária, à remuneração de ativos e dos investimentos”, afirma.
EQUIDADE - O pacto defendido pela Abes propõe ainda equidade entre contratos de programa (com empresas públicas) e de concessão (com empresas privadas), com metas e cláusulas que garantam equilíbrio entre o público e o privado e melhor eficiência dos serviços; a abertura das empresas públicas para o capital privado por meio de parcerias; a prática de tarifas justas; e a definição da titularidade do serviço.
O advogado Fernando Massardo, da Comissão de Direito Ambiental da OAB, que coordenou a mesa de debate, enfatizou a importância da discussão aberta sobre temas de grande interesse público, como é o saneamento.
O diretor-jurídico da Sanepar, Andrei Rech, elogiou a iniciativa da OAB de promover o debate. Também estiveram presentes Luiz Henrique Bucco, presidente da Abes-PR; Abel Demetrio, diretor-financeiro da Sanepar; Patrícia Pellanda, presidente da Comissão de Direito Ambiental da OAB.

Cotidiano

ECONOMIA

Valor da produção agropecuária de 2019 atinge recorde de R$ 630,9 bi

ECONOMIA

Paraná contratou quase 37 mil trabalhadores temporários

AGRICULTURA

Governo amplia investimentos para pequenos e médios produtores rurais

ALISTAMENTO

Prazo para alistamento militar online já está aberto

HABITAÇÃO

Sancionada lei que prorroga regime de tributação do Minha Casa, Minha Vida

BRASIL

Cresce em 45% número de ciclistas atropelados, apontam médicos de tráfego

2020

Ministério da Saúde amplia público para vacinas contra febre amarela e gripe

SERVIDORES DO ESTADO

13º salário integral vai injetar R$ 1,83 bilhão na economia

PARANÁ

Cedraf aprova repasses de R$ 34 milhões da União

PARANÁ

Estado vai licitar serviço de perícia médica para servidores

DEBATE

Parlamentares lançam a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Prisão em Segunda Instância

BRASÍLIA

Câmara instala comissão para analisar prisão em segunda instância

ESTUDO

Governo debate a corrupção com a sociedade

DESENVOLVIMENTO

Estratégias regionais vão nortear desenvolvimento do Paraná até 2035

PARANÁ

Governador autoriza R$ 78 milhões para hospitais filantrópicos

PARANÁ

Detran explica mudanças na forma de envio de correspondências

COMUNIDADE

OAB Paraná realiza ação de campanha internacional para mobilizar homens contra violência de gênero

ECONOMIA

Receita Estadual intensifica fiscalização no trânsito de mercadorias

INOVAÇÃO

Técnicos e produtores rurais aprovam a pulverização da mandioca com helicóptero

SERVIÇO

Suspensa licitação do Samu Noroeste para gerenciamento de auxílio-alimentação

agência dream