Paranavaí
Min. 21°C Max. 37°C
DE SEIS A 11 MESES

Regional de Saúde alerta sobre importância da dose zero da vacina contra sarampo

21/09/19 00:00:00 - Cotidiano > Estadual
Regional de Saúde alerta sobre importância da dose zero da vacina contra sarampo Vacinação é o instrumento mais eficiente de proteção contra a doença Foto: Arquivo DN

REINALDO SILVA
reinaldo@diariodonoreste.com.br

Todas as crianças a partir de um ano de idade precisam ser imunizadas contra o sarampo. A distribuição das doses faz parte da rotina de vacinação e é gratuita nas unidades básicas de saúde. Recentemente, com a disseminação de casos da doença por diferentes estados brasileiros, uma nova estratégia foi adotada: consiste na chamada dose zero, cujo público-alvo é formado por crianças de seis a 11 meses. 
A 14ª Regional de Saúde informou que o levantamento da cobertura vacinal desse novo grupo ainda não está concluído. Mesmo assim, é possível afirmar que a vacinação contra o sarampo em crianças de seis a 11 meses de idade é menor do que deveria. 
O apelo é para que mães, pais ou responsáveis legais levem os filhos para receber a proteção, principalmente porque nessa faixa etária, o sistema imunológico ainda está em formação, o que deixa as crianças mais suscetíveis às doenças.
Entre os principais sintomas da doença estão febre alta acompanhada de tosse, irritação nos olhos, coriza e mal-estar intenso. Em seguida, aparecem manchas vermelhas na pela, iniciando pela região do rosto. O sarampo pode deixar sequelas neurológicas e levar à morte. 
Boletim informativo divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) revela que até 14 de setembro, o Paraná contabilizava 13 casos da doença. Os registros foram feitos nas regiões de Campina Grande do Sul, Curitiba, Ponta Grossa, Maringá, Rolândia e Jacarezinho. Todos os pacientes contraíram a doença após viajar para outras partes do país (12 em São Paulo e um em Santa Catarina).
PREVENÇÃO – O sarampo é uma doença altamente contagiosa – a transmissão se dá pelo ar. A vacina é o instrumento mais eficiente de proteção contra o vírus. Por isso, além da dose zero, é necessário seguir o calendário vacinal da seguinte forma: de um a 29 anos de idade, duas doses; de 30 a 49 anos, uma dose; profissionais de saúde, independentemente da idade, duas doses.
Quem tem a partir de 50 anos de idade não precisa ser imunizado. É que nessa faixa etária, considera-se que a pessoa já teve contato com o vírus e já esteja imunizada. Mesmo assim, se quiser, pode ser vacinada normalmente.

Cotidiano

BOCA LIMPA

Saúde bucal é tema de evento internacional em Curitiba

PEDÁGIO

Governo instaura novos processos contra concessionárias

SEGURANÇA

Depen forma quase mil agentes brigadistas em todo o Estado

IREGULARIDADE

Prefeito e pregoeiro de Fazenda Rio Grande são multados por falha em licitação

IMPROBIDADE

Prefeito e escritório de advocacia devem restituir R$ 426,7 mil a Jacarezinho

TRABALHO

Atestado médico digital obrigatório no Paraná é aprovado na Assembleia Legislativa

DESENVOLVIMENTO

Paraná ganha centro de desenvolvimento de produtos de panificação e cervejaria

DESENVOLVIMENTO/CAMPO

Agricultura firmará parceiras para desenvolvimento territorial

ANÁLISE

Oficina de prioridades em pesquisas busca melhorar SUS no Paraná

PARANÁ

O que um projeto inovador precisa para receber recursos e apoio

AGRICULTURA

Produtor deve olhar além da porteira da propriedade, diz técnico da FAEP

REGIMES PRÓPRIOS

TCE-PR monitora ações de municípios para melhorar gestão de previdência

TCE-PR

Notificadas, câmaras aceleram julgamento de contas de prefeitos

PARANÁ

Ação do Gaeco culmina em prisão do prefeito de São Jerônimo da Serra

EDUCAÇÃO

Inep divulga hoje os locais de prova do Enem 2019

BOVINOS E BUBALINOS

Paraná suspende vacinação contra a febre aftosa

SEGURANÇA/PARANÁ

PRF apreende quase três toneladas de maconha

PARANÁ

Fiscalização apreende 795 brinquedos irregulares

PARANÁ

Universidades estaduais têm destaque em Guia da Faculdade

TRÁFICO

PF apreende 2 quilos de haxixe durante operação em Foz do Iguaçu

agência dream