Paranavaí
Min. 21°C Max. 32°C
INDICADOR

25% dos usuários de cartão de crédito entraram no rotativo ao final de 2018

Mesmo com Selic em queda, 40% dos consumidores brasileiros têm percepção de que juros continuam aumentando; 22% tiveram crédito negado em dezembro e 77% vivem no limite do orçamento

08/02/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional
25% dos usuários de cartão de crédito entraram no rotativo ao final de 2018

SÃO PAULO - Em meio ao cenário de alta da inadimplência e do desemprego, o consumidor brasileiro tem enfrentado dificuldades para quitar a fatura do cartão de crédito, modalidade que cobra os juros mais elevados do mercado. 
Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que, entre novembro e dezembro de 2018, aumentou de 20% para 25% o número de usuários de cartão de crédito que não conseguiram pagar o valor integral da fatura, passando a entrar no chamado ‘crédito rotativo’. Os que quitaram toda a quantia devida somam 73% dos entrevistados.
De acordo com o indicador, os cartões de crédito mantiveram a dianteira de sondagens anteriores e foram o instrumento de crédito mais usado em dezembro, mencionado por 38% dos consumidores. Bastante à frente do segundo colocado, que é o crediário (15%). 
Os empréstimos foram citados por 8% da amostra e o cheque especial também por 8%. Há ainda, 6% de consumidores que buscaram financiamentos. No total, 48% dos brasileiros recorrem à alguma modalidade de crédito em dezembro.
Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, a conveniência, segurança e aumento da aceitação do cartão de crédito explicam a liderança no ranking, mas o usuário deve tomar cuidado com o risco de endividamento excessivo. 
“O cartão de crédito é hoje um meio de pagamento usualmente aceito em diversos estabelecimentos e a tendência é que se consolide como a principal forma de pagamento em um futuro bastante próximo, uma vez que ele tem se mostrado como um instrumento seguro para transações. Apesar da facilidade de seu uso, o consumidor deve se manter em alerta para não se exceder nos gastos, pois em virtude dos juros, o valor da fatura pode se multiplicar em um curto espaço de tempo, tornando a dívida muitas vezes impagável ”, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.
MÉDIA DA FATURA - O valor médio dos gastos realizados no cartão de crédito chegou a R$ 752,85 em dezembro passado. Entre os usuários de cartão, a minoria (20%) conseguiu diminuir o valor da fatura. 
Para 33% ela se manteve em patamar estável na comparação com o mês anterior, ao passo que 43% observaram aumento no valor utilizado.
Outra constatação do levantamento é a consolidação do cartão de crédito para o pagamento de despesas correntes do mês. As compras em supermercados foram o tipo de aquisição mais realizada no cartão, citadas por 56% dos entrevistados. Em segundo lugar ficaram as compras de roupas, calçados e acessórios (48%), seguidas dos remédios (40%), idas a bares e restaurantes (29%) e pagamento de combustíveis (28%).
Considerando outras modalidades de crédito, a compra de roupas, calçados e acessórios foram o principal tipo de aquisição feita no crediário (53%), percentual acima do observado em novembro (38%). No caso dos financiamentos, os automóveis (24%) ficaram em primeiro lugar.

Em cada dez brasileiros, dois tiveram 
crédito negado em dezembro
Ainda sob impacto da crise, que restingiu o acesso ao crédito nos últimpos anos, seis em cada dez consumidores ainda sentem dificuldades para ter acesso a financiamentos (61%) e empréstimos (58%). 
Exemplo da percepção da dificuldade, é que 22% dos brasileiros tiveram crédito negado em dezembro ao tentarem parcelar uma compra em algum estabelecimento comercial, o que representa um aumento de seis pontos percentuais na comparação com novembro. 
As principais razões para a recusa foram a inadimplência (7%), renda insuficiente (6%) e limite de crédito excedido (3%). Mesmo com a Selic (taxa básica de juros da economia) em queda, a maior parte (40%) dos consumidores tem a impressão de que os juros finais cobrados na ponta estão mais altos nos últimos três meses. Para 25%, eles estão estáveis, ao passo que 5% notaram alguma diminuição.
O levantamento ainda mostra que 77% dos consumidores brasileiros têm vivenciado uma situação de aperto com as finanças, sendo que 29% estão no vermelho - ou seja, não conseguem pagar todas as contas com os rendimentos - e 47% ficam no ‘zero a zero’, o que significa que até honram seus compromissos financeiros, mas terminam o mês sem sobras de dinheiro. Apenas 15% estão em condições confortáveis. Não por acaso, mais da metade (54%) pretendiam cortar gastos ao longo do mês de janeiro.   

Cotidiano

SENADO

Projeto propõe sustar decreto que simplificou posse de armas

SENADO

PEC que proíbe aborto pode ser emendada para incluir as exceções da lei atual

PROJETO DE LEI ANTICRIME

Bolsonaro diz que lei visa endurecer as penas contra assassinos e corruptos

FIM

Adoção do horário de verão neste ano de 2019 ainda é uma incógnita

REFORMAS EM RISCO

Presidente precisa estancar crise no governo e em seu partido, afirma Rubens Bueno

ATRASE O RELÓGIO

Horário de verão termina neste fim de semana

BANCADA

Pacote anticrime: Rubens Bueno reafirma apoio e considera projeto consistente

HABILITAÇÃO

Governo fará mudanças na CNH

ACIDENTE

Veja repercussão da morte do jornalista Ricardo Boechat

GOVERNO

Principais direitos trabalhistas não serão retirados, diz Guedes

PRESIDENTE

Bolsonaro está com pneumonia

PRESIDENTE

Bolsonaro defende união para transformar Brasil em país seguro

EM PROCESSO SOBRE SÍTIO

Lula é condenado a 12 anos de prisão

NOVEMBRO/2017 A OUTUBRO/2018

Consumo de café aumenta 4,80%

REDE SOCIAL

Pesquisa mostra impactos em usuários que param de usar Facebook

GOVERNO

Moro diz esperar sugestões da sociedade para aprimorar leis anticrimes

MENSAGEM AO CONGRESSO

Bolsonaro: “Grande impulso de um novo ambiente para o país virá com o projeto da nova Previdência”

CÂMARA/DEPUTADOS

Maia defende diálogo para aprovar reforma da Previdência

ECONOMIA

Manutenção de piscinas pequenas evita aumento da conta de água

CONSTRUÇÃO

Áreas externas: como melhorar o bem estar pessoal e familiar?

diario do noroeste
diario do noroeste
diario do noroeste
agência dream