Paranavaí
Min. 14°C Max. 28°C
REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Debate: Proposta da reforma é injusta com os trabalhadores e cobrará um "alto preço"

19/03/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional
Debate: Proposta da reforma é injusta com os trabalhadores e cobrará um A audiência pública foi presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), ao centro Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

BRASÍLIA - Para os participantes de audiência pública sobre a reforma da Previdência, a despeito de o sistema ser "insustentável", a proposta do governo é injusta com os trabalhadores e cobrará um "alto preço" no futuro. 
Na prática, disseram os debatedores, o sistema de capitalização proposto repete a experiência do Chile e dá fim à Previdência pública. Eles discutiram a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, nesta segunda-feira (18), na Comissão na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). A audiência foi requerida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que preside a comissão.
Luiz Fernando Silva, representante do Coletivo Nacional de Advogados de Servidores Públicos (Cnasp), afirmou que em recente visita ao Chile testemunhou o drama dos aposentados chilenos, que migrou para o sistema de capitalização na década de 1980. O país registra altos níveis de suicídio de idosos, que recebem benefícios previdenciários insuficientes para a sobrevivência, disse o advogado.
Do total de aposentadorias concedidas no Chile, 53% correspondem a meio salário mínimo, e apenas 2% são de um salário mínimo integral, após 40 anos de contribuição. Há casos de pessoas que ao longo da vida somaram apenas um ano de contribuição e em janeiro de 2019 receberam o equivalente a R$ 6,29.
A situação é tão crítica que o governo chileno está voltando a criar auxílios sociais para complementar a renda dessa faixa da população, continuou Silva. Enquanto isso, a PEC 6/2019 reduz o Benefício de Prestação Continuada (BPC), concedido a deficientes e idosos acima de 65 anos, de um salário mínimo para R$ 400, acrescentou. Ele defendeu a Previdência pública por ser ela capaz de atenuar desigualdades sociais.
O representante da Cnasp alertou ainda para o custo de transição, que não está exposto na PEC. 
Francisco Canindé, da Central Nacional dos Aposentados e Pensionistas do Brasil (Centrape), trouxe dados do Anuário Estatístico da Previdência que demonstram a queda do número de contribuintes do INSS, de 71,3 milhões de contribuintes em 2014 para 65,9 milhões em 2017, em contraste com o crescimento dos benefícios concedidos, que passaram de 1,1 milhão de aposentadorias em 2012 para mais de 1,4 milhão em 2017. 
Ao dizer que "a conta não fecha", corroborando a ideia geral demonstrada na audiência pública de que a reforma precisa ser aprovada, Canindé sugeriu que se assegure na proposta um montante mínimo de aposentadoria concedida pelo sistema público, algo como cinco salários mínimos, e quem quiser que complemente pelo sistema de capitalização. Ele também defendeu mais tempo de transição para quem já está no sistema.
“A reforma tem que existir, o detalhe é ver os direitos adequados, as distorções sendo corrigidas, tem muita coisa equivocada e que precisa ser revista”, afirmou senador Eduardo Girão (Pode-CE).
RECUO - A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou dados sobre o sistema previdenciário de 30 países que migraram para o sistema de capitalização de 1981 até 2014. De acordo com Luiz Legnãni, Secretário Geral da Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (Cobap), 18 deles voltaram atrás. Para ele, com o regime de capitalização, o Brasil navegará contra a correnteza.
Em 70% dos pequenos municípios brasileiros, observou Legnãni, a distribuição de benefícios previdenciários é que mantém a economia girando, superando até mesmo os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e o próprio orçamento local. Seria um acinte falar em tirar privilegio de gente que já ganha o salário mínimo, afirmou o representante da OIT.
“Se você impossibilita essa aposentadoria, ou a retarda, vai aumentar a miséria do nosso país. Os agricultores vão sofrer muito. Se não tem emprego nem para o jovem, vai ter para idoso?”, questionou.

Reforma trabalhista tem feito o número de trabalhadores formais cair
O jornalista Antônio Queiroz, representante do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), disse que mudanças já aprovadas pelo Congresso pioraram a situação da Previdência Social. Para ele, é preciso mudar o texto da PEC 6/2019. 
No seu entendimento, a Emenda Constitucional 95, do teto de gastos, congelou o Orçamento e leva a despesa previdenciária a avançar de modo tão voraz sobre as outras áreas que esses setores vão impor alterações.
Além disso, a reforma trabalhista, aliada à informatização, tem feito o número de trabalhadores formais cair, por estimular o trabalho intermitente, a “pejotização” e até o trabalho informal, o que reduz drasticamente a contribuição previdenciária e a fonte para o pagamento das aposentadorias já concedidas. No seu entendimento, haverá cada vez menos empregos, mas as pessoas continuarão a se aposentar, mesmo com a reforma. Diante disso, será preciso buscar outras fontes de receita.
“Não é sustentável a Previdência pública brasileira com fundamento na folha de salário”, avaliou Queiroz, para quem as fontes de financiamento da Previdência deverão ser alteradas, passando a contribuição patronal da folha de pagamentos para o faturamento ou a receita da empresa. 

Cotidiano

IAPAR/CURSO

Cadeia da sericicultura precisa de inovação para crescer

SENADO

Audiências vai avaliar políticas de comércio exterior agropecuário

TEMPO

Efeitos das queimadas na região amazônica foram de baixa intensidade no céu do Paraná

SENADO

Proposta permite baixa gratuita de pequenas empresas inativas

JUSTIÇA

Sequestrador de Washington Olivetto é extraditado para o Chile

GERAL

Sequestrador estava em surto psicótico e ameaçou incendiar o ônibus

CALENDÁRIO

Saúde abre consulta pública para padronizar serviços da Atenção Primária

RESULTADO

Brasil atinge segunda melhor marca de impacto científico em 30 anos

COMPORTAMENTO

Pesquisa revela como jovens reagem ao serem reprovados em entrevistas

PESQUISA

Problemas financeiros dos funcionários impactam na produtividade para 96% das empresas

SAÚDE DO HOMEM

Pesquisa revela que mais de um terço dos homens brasileiros não vão ao médico anualmente

SENADO

CDH inclui fibromialgia no rol de doenças com dispensa de carência para auxílio-doença

SAÚDE

Medicamento para Insuficiência Cardíaca chega aos pacientes do SUS

SENADO

CCJ inicia debate sobre reforma tributária nesta segunda

POLÍTICA

Governo lança projeto para estimular empreendedorismo nos jovens

POLÍTICA

Governo diz que falta de recursos diminuirá expediente de militares

POLÍTICA

Maia acredita que reforma tributária será aprovada até o final do ano

GERAL

PRF determina suspensão e recolhimento de radares móveis

INVESTIMENTO

Governo realiza mudanças em resoluções de licenciamento ambiental

SELO COMEMORATIVO

Rainha do basquete Hortência é homenageada com emissão especial

agência dream