Paranavaí
Min. 17°C Max. 33°C
PESQUISA

44,7% das rodovias brasileiras apresentam problemas de sinalização

14/04/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional
44,7% das rodovias brasileiras apresentam problemas de sinalização Pesquisa analisou mais de 107 mil quilômetros de estradas e rodovias do país Foto: CNT

SÃO PAULO - Um trânsito seguro depende de diversos aspectos como respeito às leis, responsabilidade e conscientização de todos os usuários das vias, e infraestrutura, mas, infelizmente ainda temos muito a melhorar em todos esses quesitos. 
Sobre infraestrutura, a 22ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, mostra que a maior parte da malha rodoviária do Brasil se encontra em condições insatisfatórias. A pesquisa analisou 107.161 dos 213.453 km de rodovias pavimentadas no país e, considerando o estado geral, 57% apresentam resultado regular, ruim ou péssimo. Esta situação está associada a problemas no pavimento, na geometria da via ou na sinalização.
Para o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Clésio Andrade, o orçamento previsto pelo governo federal é incompatível com os investimentos necessários. 
“A falta de investimentos é a principal causa das péssimas condições das rodovias brasileiras. Para corrigir os problemas mais urgentes, reconstrução, restauração e readequação das vias desgastadas, são necessários R$ 48 bilhões. Isso é sete vezes mais do que o orçado pelo governo federal para todas as obras em transporte rodoviário em 2018”, destaca.
Quando se trata especificamente da sinalização, 44,7% dos trechos estudados são classificados como regular, ruim ou péssimo. O estudo levou em consideração problemas nas placas de velocidade, como danos ou ausência; problemas de indicação de distância, destinos, locais de interesse e intersecção; visibilidade e legibilidade, entre outras questões.
O documento aponta que as piores sinalizações do país são as dos estados do Amapá, Pará e Amazonas - todos na Região Norte - com 82,7%, 78,8% e 78,2% das estradas classificadas como regular, ruim ou péssima, respectivamente. No Amazonas, a condição geral de mais de 50% das estradas e rodovias foi avaliada como ruim ou péssima.
A pesquisa mostra ainda que, se todos os locais onde ocorreram acidentes nos mais de 107 mil km analisados estivessem com a sinalização classificada como ótima, seria possível reduzir em até 21,5% o número de óbitos. 
Outra constatação preocupante: de 2017 para 2018, o número de pontos críticos no país subiu de 363 para 454, um aumento de 25%. São consideradas críticas àquelas situações que ocorrem ao longo da via e que podem trazer graves riscos à segurança dos usuários.
“Eu costumo rodar no Paraná e em São Paulo e, infelizmente, é comum encontrarmos placas de advertência em locais errados. As faixas centrais e laterais das placas também sofrem com o desgaste na pintura ou me deparo até mesmo com placas de sinalização sem informações. Isso tudo, somado às condições precárias das rodovias e ao excesso de velocidade, multiplicam os riscos de acidentes”, comenta Bruno Neto, 68 anos, 45 deles como caminhoneiro.
DESCOMPASSO – O Anuário CNT 2018, que também é realizado pela Confederação Nacional do Transporte, aponta que a extensão da malha rodoviária nacional cresceu 0,5% entre 2009 e 2017, e a proporção de rodovias pavimentadas se manteve a mesma no período: 12,4% da extensão total. 
Enquanto isso, a frota de veículos registrados cresceu 63,6% – de 59.361.642 para 98.201.128. Esses números evidenciam um descompasso. 
“O Brasil é um país essencialmente rodoviário, e apesar do movimento mundial e crescente de adesão a modais sustentáveis, como a bicicleta, ainda vamos levar bastante tempo para sentir algum impacto nas vias do país. Independentes disso, as sinalizações servem como guia para o respeito às leis de trânsito. Assim, permanece urgente conhecer o cenário atual e buscar soluções que melhorem a segurança de todos que trafegam pelo Brasil”, comenta Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista em trânsito da Perkons.

Cotidiano

TRABALHADORAS DO CAMPO

Mulheres rurais se destacam em diferentes atividades e buscam acesso a direitos

CENSURA

Senadores criticam decisão do STF de retirar reportagem do ar

STF

Moraes nega pedido de PGR e mantém inquérito para apurar fake news

PESQUISA IPSOS

Três em cada dez brasileiros acreditam que não vale a pena conversar com quem tem visão política diferente

ECONOMIA

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.040 para o próximo ano

GOVERNO

LDO de 2020 não prevê concursos nem reajuste para servidores

GOVERNO

Para presidente, mudanças no Brasil passam por fé, exemplos e trabalho

EM ATO NA CÂMARA

Mulheres protestam contra reforma da Previdência

REGRAS DO ENSINO DOMICILIAR

Ensino domiciliar terá prova e vai cobrar plano pedagógico

OPERAÇÃO LÁBARO

PRF: Destino de 468,5kg de cloridrato de cocaína era Maringá

ESTIMA GOVERNO

Cadastro Positivo pode beneficiar até 130 milhões de consumidores

MINISTÉRIO

Tabela do frete deveria cair porque prejudica caminhoneiros, defende Tereza Cristina

PESQUISA

Progresso depende de menos desigualdade, diz maioria dos brasileiros

INFRAESTRUTURA

“Margem de lucro do produtor está cada vez mais espremida”, diz Tereza Cristina

DEBATE/CÂMARA

Professores podem fazer greve nacional se reforma da Previdência passar na CCJ

MINISTRO/JUTIÇA

Moro critica omissão de governos anteriores no combate à corrupção

CASA CAIU

Quadrilha operava no Porto São José e na cidade de Rosana

STF

É preciso ser firme na defesa do Supremo, diz Toffoli em ato solene

INFRAESTRUTURA

Decisão sobre radares será debatida com critério técnico, diz ministro

PRESIDENTE

“Vamos jogar pesado na [reforma da] Previdência”, diz Bolsonaro

agência dream