Paranavaí
Min. 16°C Max. 27°C
JUSTIÇA

Moro: falhas do sistema e bons advogados retardavam condenação

14/05/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional
Moro: falhas do sistema e bons advogados retardavam condenação Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro Arquivo/Agência Brasil

Alex Rodrigues
Da Agência Brasil 

Com 22 anos de experiência na magistratura federal, onde atuou em casos de destaque como os julgamentos do Banestado e da Lava Jato, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse, ontem (13), que as falhas do sistema processual penal permitiam a réus influentes contratar advogados que, “com alguma influência perante as cortes de Justiça”, conseguiam retardar ao máximo a condenação definitiva de seus clientes.
“Havia um mecanismo de recursos processuais tão generoso que, quem lograsse manipular esse sistema nunca era punido. Um sistema processual absurdamente desigual”, disse o ministro. “Geralmente, quem tinha condições de manipular o sistema eram pessoas com amplos recursos financeiros para contratar excelentes advogados com alguma influência perante as cortes de Justiça”, acrescentou o ministro, sugerindo que, graças a isso, os réus conseguiam adiar o início do cumprimento da pena, “obtendo imunidade em um processo que nunca acabava”.
Durante uma palestra em Curitiba, Moro disse que, até 2016, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) admitiu a execução da pena após a condenação em segunda instância, o sistema processual brasileiro estava “baseado em uma dualidade” que beneficiava quem tinha dinheiro
Segundo Moro, a defesa da execução da sentença penal em segunda instância é um dos pontos fundamentais do projeto anticrime que o governo federal enviou ao Congresso Nacional e que espera ver aprovado em ao menos uma das Casas (Câmara dos Deputados ou Senado) ainda neste semestre.
“Não adianta nada mexer na legislação penal; não adianta nada melhorar as leis; aumentar o número de policiais, se o processo não tem capacidade de chegar a efetiva responsabilização [do acusado]”, argumentou Moro ao abrir o Congresso Nacional sobre Macrocriminalidade e Combate à Corrupção, realizado pela Escola da Magistratura do Paraná (Esmafe) e Associação Paranaense dos Juízes Federais (Apajufe).
Ao defender que a execução em segunda instância representa um avanço em direção ao fim da “impunidade dos poderosos”, o ministro disse que, embora o STF tenha, repetidamente, reconhecido a validade da decisão de 2016, há ainda a possibilidade de o entendimento quanto à validade do início do cumprimento da pena antes mesmo de todos os recursos terem sido esgotados ser revertida.
“Não acredito que ocorra, mas como há essa possibilidade, o governo federal apresentou um projeto de lei para demonstrar claramente como ele se posiciona nessa questão”, explicou Moro, voltando a defender a aprovação do projeto de lei anticrime. “O processo deve garantir o direito de defesa a todas as pessoas, mas deve chegar ao fim em um tempo razoável”, concluiu o ministro, assegurando que o Ministério da Justiça e Segurança Pública desenvolve uma série de outras iniciativas, mas que o projeto anticrime é das mais importantes por, segundo ele, “resolver problemas sérios do nosso sistema de Justiça criminal e tem a aptidão de resgatar um pouco da credibilidade das pessoas em relação ao que os governantes devem fazer, liderando o processo de mudanças”.

Cotidiano

EDUCAÇÃO

MEC abre hoje consulta para vagas no Sisu

TRÂNSITO

70% das indenizações do DPVAT em 2018 foram para acidentes com invalidez permanente

POLÍTICA

Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

POLÍTICA

Comissão derruba portaria que limita acesso à mamografia no SUS

AÇÃO AMBIENTAL

Estado e municípios atuam para ampliar a coleta de lâmpadas

GERAL

Campanha contra trabalho infantil começa hoje

CUSTO DE VIDA

O ranking das cidades mais caras para se viver

SENADO

Plenário pode aprovar PEC que restringe mudanças na alíquota do IPI

DIREITOS HUMANOS

Publicada nesta semana a lei que garante mais proteção à mulher vítima de violência

CIDADANIA

Sancionada lei que torna banheiros químicos adaptados obrigatórios

INVESTIMENTO

CAIXA disponibiliza R$ 1 bilhão para médio produtor rural

FECOMÉRCIO/SP

Comércio e setor de serviços eliminam mais de 3 mil vagas formais em março

RECEITA FEDERAL

Nova Instrução Normativa regulamenta o parcelamento de débitos

EDUCAÇÃO

Inep tem novo presidente

JUSTIÇA

Em 10 anos, número de magistradas cresce apenas 1,2%, diz CNJ

REUNIÃO EM PEQUIM

Brasil espera habilitação de 78 frigoríficos

TRÁFICO

FAB intercepta avião com quase 500 quilos de cocaína

POLÍTICA

Senado aprova fim de carência de planos de saúde para emergência

ECONOMIA

União paga em abril R$ 401 milhões em dívidas atrasadas de estados

VIOLÊNCIA SEXUAL

Apenas 16% dos agressores contra crianças e adolescentes são desconhecidos da vítima

agência dream