Paranavaí
Min. 21°C Max. 31°C
DIREITOS HUMANOS

Publicada nesta semana a lei que garante mais proteção à mulher vítima de violência

19/05/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional

Agência Brasil Brasília 

A Lei Maria da Penha prevê, a partir de agora, a aplicação de medidas protetivas de urgência a mulheres ou a seus dependentes ameaçados de violência doméstica ou familiar. O Diário Oficial da União publicou na terça-feira (14) a lei sancionada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, com as alterações que darão mais rapidez nas decisões judiciais e policiais.
De acordo com nova norma, quando constatada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher, ou de seus dependentes, o “agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência” com a vítima, medida que pode ser adotada pela autoridade judicial; pelo delegado de polícia; ou pelo policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
A lei prevê também que, quando a aplicação das medidas protetivas de urgência for decidida pelo policial, o juiz deve ser comunicado, no prazo máximo de 24 horas, para, em igual prazo, determinar sobre “a manutenção ou a revogação da medida aplicada, devendo dar ciência ao Ministério Público (MP) concomitantemente”. Antes das alterações, que passam a valer a partir desta terça-feira, o prazo era de 48 horas.
"A mulher que passa por situação de violência tem pressa. Especialmente nessas áreas em que não há comarca ela acaba desprotegida. Garante-se, assim, a medida protetiva e que o Judiciário analise a validade da medida em até 24h", disse a titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, ao comentar a sanção da lei.
O Anuário da Segurança Pública de 2018 registrou aumento de 6,1% no número de assassinato de mulheres e uma média  de 606 casos por dia de violência doméstica, no Brasil, segundo informação divulgada pelo ministério..
A lei diz ainda que as medidas protetivas têm que ser registradas em banco de dados mantido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), garantido o acesso do MP, da Defensoria Pública e dos órgãos de segurança pública e de assistência social, com vistas à fiscalização e à efetividade das medidas de proteção. No caso de prisão do agressor e, em havendo risco à integridade física da vítima ou à efetividade da medida protetiva de urgência, não será concedida liberdade provisória ao preso.

Cotidiano

POLÍTICA

Reforma tributária deve ser votada na CCJ do Senado em 2 de outubro

INICIATIVA

Paraná leva ao governo federal projetos em defesa das mulheres

POLÍTICA

Alcides Martins assume PGR e anuncia retorno de membros da Lava Jato

POLÍTICA

Para Fux, mudanças no Fundo Eleitoral não podem ir contra a sociedade

SENADO

Proteção a mulheres em ambientes esportivos será votada na CE

INCLUSÃO

Vestibular dos Povos Indígenas tem 750 candidatos

SUSTENTÁVEL

Logística reversa de pneus atenderá todos os municípios do Paraná

SEBRAE

Atividade do MEI é a única fonte de renda de quase 4,6 milhões de pessoas

DIREITOS HUMANOS

Fusão de programas sociais pode dobrar impacto sobre desigualdades

ALIMENTAÇÃO

Pesquisa mostra que 19% dos brasileiros consomem algum item orgânico

ESTUDO

Mais da metade da população brasileira é obesa ou tem sobrepeso

EDUCAÇÃO

EAD cresce e traz novas oportunidades no mercado de trabalho

EMPRESAS

Quase 30% de novas empresas foram abertas somente no segundo semestre

IBGE

Setor de serviços cresce 0,8% de junho para julho no país

POLÍCIA FEDERAL

Duas pessoas presas em operação contra tráfico de animais

BRASIL

Ministério da Saúde lança campanha de combate ao Aedes aegypti

POLÍTICA

Comissão do Senado aprova reforma na lei de telecomunicações

GERAL

Trabalhadores dos Correios decretam greve nacional

POLÍTICA

Alcolumbre é contra novo imposto sobre movimentação financeira

SETEMBRO AMARELO

AGU adere à campanha de prevenção e combate ao suicídio

agência dream