Paranavaí
Min. 21°C Max. 37°C
GERAL

Trabalhadores dos Correios decretam greve nacional

12/09/19 00:00:00 - Cotidiano > Nacional

Alex Rodrigues 
Da Agência Brasil 

Os trabalhadores dos Correios decretaram greve geral, por tempo indeterminado, a partir da noite de anteontem (10). Embora ainda esteja avaliando o real impacto da paralisação, a empresa afirma que os serviços foram parcialmente afetados. Já a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) garante que o movimento é nacional.
“Em todo o país, a categoria se mostrou consciente da gravidade da situação e decretou greve por tempo indeterminado”, assegura a Findect, em nota. Segundo a entidade, a paralisação foi a forma que os funcionários da estatal encontraram para se opor à proposta do governo federal de privatizar os Correios.
Os trabalhadores também tentam pressionar a direção da empresa a negociar a manutenção de direitos trabalhistas e dos atuais salários no futuro Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que está por ser assinado.
No mês passado, o governo federal incluiu os Correios no Plano Nacional de Desestatização (PND) e inaugurou a fase de estudos para privatizar, total ou parcialmente, a empresa e outras 17 estatais. A abertura de estudos não indica necessariamente que uma empresa será privatizada, restando, como alternativa para as companhias federais incluídas no plano, a assinatura de parcerias com o setor privado. De acordo com Martha Seillier, secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), da Casa Civil, o objetivo inicial dos estudos é analisar a viabilidade econômica dos ativos federais (empresas, ações e serviços) e o possível impacto de parcerias com a iniciativa privada.
Além do receio da privatização, os representantes da categoria temem a redução salarial e a perda de benefícios. “Querem reduzir radicalmente os salários e benefícios para diminuir custos e privatizar os Correios”, afirma a Findect. “Para manter nosso Acordo Coletivo, repor as perdas aos salários e manter os empregos vamos ter que lutar.”
Também em nota, a direção dos Correios afirma já ter apresentado aos trabalhadores os números que revelam a “real situação econômica da estatal”. De acordo com a direção da empresa, os prejuízos operacionais acumulados chegam a R$ 3 bilhões.
“Os Correios participaram de dez encontros na mesa de negociação com os representantes dos trabalhadores, mas as federações expuseram propostas que superam até mesmo o faturamento anual da empresa, algo insustentável para o projeto de reequilíbrio financeiro em curso pela empresa”, assegura a direção dos Correios. “No momento, o principal compromisso da direção dos Correios é conferir à sociedade uma empresa sustentável. Por isso, a estatal conta com os empregados no trabalho de recuperação financeira da empresa e no atendimento à população”, acrescentam os representantes legais da estatal.
ACORDO COLETIVO - O processo de negociação do Acordo Coletivo 2019/2020 está no Tribunal Superior do Trabalho. Na semana passado, após várias tentativas de compatibilizar os interesses dos empregados e empregadores, o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Renato de Lacerda Paiva, decretou a extinção do procedimento de mediação e conciliação pré-processual entre a empresa e as entidades que representam os empregados. Segundo a assessoria do tribunal, a direção dos Correios foi a única a não aceitar a proposta de prorrogar o acordo coletivo de trabalho para que fosse dado prosseguimento à negociação de novo instrumento coletivo. Ainda segundo a assessoria do tribunal, “a continuidade da mediação evitaria a greve da categoria, marcada para o dia 10/9”.
Em assembleia realizada ontem à noite, em São Paulo, o vice-presidente da Findect, Elias Cesário de Brito Júnior, afirmou que a categoria foi “empurrada” para a greve. “Não queríamos entrar em greve. Queríamos continuar trabalhando como sempre fizemos, servindo à população e defendendo nossos empregos. Há mais de três meses que estamos negociando, colocando a pauta de reivindicações [tirada] em nível nacional. Teve que o TST intervir”, discursou Júnior, lembrando que, além de tentar impedir a privatização dos Correios, a categoria reivindica a prorrogação do acordo coletivo que venceu em 31 de julho; a reposição das perdas inflacionárias dos últimos anos e a manutenção do vale-alimentação e do plano de saúde.

Cotidiano

CIDADANIA

No 31º aniversário da Constituição Federal, Brasil coleciona mais de 790 mil normas vigentes

POLÍTICA

Senado aprova texto e histórico pode agravar pena por crime ambiental

JUSTIÇA

Decisão do STF sobre 2ª instância pode afetar 4,9 mil presos, diz CNJ

POLÍTICA

Presidente do PSL é alvo de operação da PF

GERAL

Ministério do Turismo oferece curso profissionalizante gratuito

SAÚDE

Exame para identificar Zika vírus é comercializado no país

CANONIZAÇÃO

Santa Dulce dos Pobres torna-se a primeira Santa brasileira

POLÍTICA

Supremo julga na quinta ações sobre prisão após segunda instância

DEBATE

Estado promove Fórum de Erradicação da Pobreza

SERVIÇO PÚBLICO

Proposta de reforma deve ser concluída este mês

JUSTIÇA

Cabral é condenado a mais 33 anos de prisão por crimes da Lava Jato

POLÍTICA

Bolsonaro pede confiança a investidores e diz que quer dividir riqueza

POLÍTICA

Senado convida ministros para falar de suspensão de radares

POLÍTICA

Comissão aprova convocação do ministro Marcelo Álvaro Antônio

REUNIÃO

Reformas econômicas devem melhorar a situação dos Estados

NO CAMPO

Mapa publica produtos da agricultura familiar com desconto em outubro

EDUCAÇÃO

Programa do MEC abrirá 1,5 milhão de vagas em educação profissional

CÂMARA

Projeto de Rubens Bueno dá autonomia para Institutos de Pesos e Medidas

POLÍTICA

Ex-superintendente da PF no RJ assume combate a crimes financeiros

SEGURANÇA

Flagrantes por videoconferência agilizam o trabalho da Polícia Civil

agência dream