Paranavaí
Min. 21°C Max. 28°C
NO SENADO

Debatedores defendem educação midiática nas escolas para formar cidadãos críticos

Segundo professor da USP, formação é importante não apenas para que estudantes saibam detectar mentiras e verdades, mas para entender que notícias são editadas

07/11/18 00:00:00 - Cotidiano > Nacional
Debatedores defendem educação midiática nas escolas para formar cidadãos críticos Especialistas debateram como implantar a educação para as mídias, incluída na Base Nacional Comum Curricular entre as competências básicas que o aluno do ensino fundamental deve ter Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

BRASÍLIA - Participantes de audiência pública na Câmara dos Deputados defenderam que se promova a educação midiática nas escolas brasileiras para se formar cidadãos críticos. O debate foi promovido pela Comissão de Educação nesta terça-feira (6).
O professor Claudemir Viana, do curso de licenciatura em Educomunicação da Universidade de São Paulo (USP), foi um dos que defendeu que a educação para as mídias esteja presente no processo educativo. Na visão dele, ela deve ser promovida não apenas em uma disciplina, mas pode ser feita por todos os professores, a partir de projetos e oficinas, por exemplo.
A educação para as mídias, segundo Viana, deve tornar o cidadão capaz de ler conteúdos midiáticos de forma crítica e de atuar como sujeito no processo de comunicação, a partir das oportunidades que as tecnologias oferecem. “Ele deve sair do processo empoderado, sabendo se expressar de forma mais clara e objetiva, tornando-se um cidadão mais ativo e atuante, de maneira consciente sobre as responsabilidades do ato comunicativo”, disse.
De acordo com Viana, se o cidadão não passar por um processo de educação midiática, ele tende a reproduzir conteúdos sem entender o modo de produção das informações. “Não se trata apenas de detectar mentiras e verdades mas detectar que as notícias são editadas, elas não são neutras”, explicou. “Mesmo sendo verdadeira, a informação sofre um processo de edição que implica a escolha de determinas perspectivas desse fato. É se dar conta de que vivemos em um mundo editado”, completou.
CURRÍCULO COMUM - Alice Carraturi, representante do Ministério da Educação, afirmou que a educação midiática foi incluída na Base Nacional Comum Curricular entre as competências básicas que o aluno deve ter. A base prevê, por exemplo, que o aluno de ensino fundamental saiba utilizar e criar tecnologias de informação e comunicação. Entre as habilidades de língua portuguesa, o aluno deve, por exemplo, ser capaz de comparar informações sobre um mesmo fato veiculadas em diferentes mídias e concluir qual é a mais confiável e por quê.
O BNCC orienta a formulação dos currículos das escolas pelas redes estaduais. Neste momento, os novos currículos para o ensino fundamental estão em fase de formulação pelos estados.
A deputada que solicitou a audiência, Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), ressaltou que os professores precisam de formação para promover a educação midiática. “É um tema que a educação brasileira precisa enfrentar e que ainda tem pouco espaço”, disse. A educação midiática já é política pública adotada em alguns países da Europa e em alguns estados nos Estados Unidos.
CELULAR E INTERNET - Karla Skeff, oficial de projetos de Comunicação e Informação da Unesco, disse que a educação midiática pode promover conhecimentos, habilidades e atitudes que ajudarão o cidadão a filtrar o volume imenso de informação que circula na sociedade. Além disso, pode ajudá-lo a disseminar informações de maneira mais responsável e ética.
“O uso massivo do celular e internet é um risco e uma oportunidade, mas existem mais oportunidades do que riscos”, opinou. “Um cidadão empoderado e crítico tem mais possibilidade de exercer controle social, e isso favorece a liberdade de expressão”, disse.
Essa também é a visão da presidente do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, que chamou a atenção para o impacto das informações disseminadas por meio da internet na decisão de eleitores nas últimas eleições e para a importância da educação midiática para combater as notícias falsas.
“Educação midiática é liberdade”, avaliou. “É dar subsídios, ferramentas, para que crianças, adolescentes e adultos possamos exercer melhor a cidadania e a liberdade de expressão”, completou. (Reportagem: Lara Haje, da Agência Câmara)

Cotidiano

PREVIDÊNCIA

Economia com mudanças para militares será de R$ 10,45 bilhões

ENERGIA

Aneel diz que pagamento de empréstimos reduzirá tarifa

POLÍTICA

Moro pede ao Congresso que se debruce em pacote anticrime

CARNE

EUA vão informar em três dias quando virão inspecionar frigoríficos para liberar importação

CEPEA

PIB do agronegócio fecha 2018 com estabilidade

NO SENADO

Reforma da Previdência é o fim da seguridade, dizem debatedores na CDH

MINISTRO DO SUPREMO

"Pode espernear à vontade", diz Moraes sobre críticas a inquérito

TRAGÉDIA

Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Debate: Proposta da reforma é injusta com os trabalhadores e cobrará um "alto preço"

APONTA INDICADOR

Número de dívidas cai, mas avança nos setores bancário e de água e luz

CÂMARA/DEPUTADOS

Sancionada lei que proíbe casamento antes dos 16 anos de idade

“DIA MUNDIAL DO SONO”

Consequências negativas de noites mal dormidas

TCE-PR

Licitações não podem ter datas distintas para entrega de propostas, habilitação e disputa

DERROTA DA LAVA JATO

STF decide que Justiça Eleitoral pode julgar corrupção da Lava Jato

TRAGÉDIA

Polícia apura participação de terceira pessoa no atentado em Suzano

STF

Toffoli abre inquérito para investigar fake news e ameaças à Corte

AGRICULTURA

Fiscalização apreende sementes de milho híbrido no Oeste do Paraná

PIS/PASEP

Nascidos em maio e junho recebem Abono Salarial 2017 a partir desta quinta

MORTES

Senadores lamentam tragédia em Suzano

TRAGÉDIA

Atirador não tinha histórico de problema na escola, diz secretário

agência dream