Paranavaí
Min. 22°C Max. 32°C
FALTA DE PLANEJAMENTO

80% dos negativados em outubro já haviam atrasado outras contas nos últimos 12 meses

Em média, inadimplentes reincidem nos atrasos três meses após não pagaram uma conta. Volume de consumidores que conseguiram sair da lista de devedores cresce 9,5% no acumulado em 12 meses. Para especialistas, Natal deve estimular regularização de contas

02/12/18 00:00:00 - Cotidiano > Nacional

SÃO PAULO - Quitar uma dívida atrasada, mas poucos meses depois retornar para a lista de inadimplentes. Ou, antes mesmo de sair do cadastro de inadimplentes, ser negativado por outra dívida.
Essa é a realidade de muitos brasileiros que, por falta de planejamento ou dificuldades financeiras, voltam a ter o CPF negativado ao não pagarem suas contas. Dados apurados pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelam que, do total de consumidores que foram negativados no último mês de outubro, 80% são reincidentes, ou seja, já haviam aparecido no cadastro de devedores ao longo dos últimos 12 meses.
Nesses casos, 25% haviam regularizado a dívida anterior, enquanto 55% ainda estavam com uma dívida pendente.
Na avaliação do presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, antes mesmo de propor ao credor uma negociação de dívidas, é importante que o consumidor estude, avalie e planeje uma proposta de pagamento que seja adequada para sua realidade.
“Um dos grandes erros cometidos numa renegociação é aceitar os termos do acordo sem ter plena consciência de que o combinado será cumprido. Se o consumidor atrasar as parcelas acordadas, nada impede que seu nome volte para a lista de inadimplentes, o que pode aprofundar o problema”, alerta do presidente.
Outro dado observado é que, o tempo médio decorrido entre o vencimento de uma dívida para a outra é de 96 dias, em média. Isso significa que, depois de pouco mais de três meses após ficar inadimplentes, o consumidor volta a atrasar o pagamento de uma segunda conta.
CRESCE 9,5% - Outro dado mensurado pela CNDL e pelo SPC Brasil é o de quitação de dívidas. De acordo com o indicador de recuperação de crédito, aumentou em 9,5% o volume de inadimplentes que conseguiram regularizar suas pendências no acumulado dos últimos 12 meses até outubro.
O dado supera o observado em setembro, que era uma alta de 5,67%. Entre as regiões que apresentaram maior crescimento das recuperação de crédito, o Sudeste é destaque no mês de outubro, com 19,5%.
O Centro-Oeste apresentou alta de 16%, o Nordeste teve crescimento de 7,6% e o Sul, alta de 2,5%. Apenas no Norte houve recuo, com queda de -5,8% no volume de pessoas que conseguitam quitar suas dívidas.
De acordo com o indicador, o volume de dívidas regularizadas avançou 8,2% no acumulado em 12 meses até outubro. Desse total de pendências colocadas em dia, a maior parte (65%) diz respeito a dívidas bancárias, que englobam cartão de crédito, cheque especial, empréstimos e financiamentos.
Em segundo lugar ficaram as contas de água e luz, com um total de 19% de todas as dívidas quitadas no período. Logo depois aparecem as contas pagas no comércio (9%) e também as de serviços de comunicação, como telefonia, internet e TV por assinatura (3%).

Cotidiano

ADULTOS

Exames da EJA Online acontecem nesta quinta

COMBUSTÍVEL

Preço da gasolina sobe pela 4ª semana e acumula alta de 3,5% em um mês

PEDIATRIA/LEVANTAMENTO

Em 20 anos, armas de fogo mataram 145 mil jovens no Brasil, aponta SBP

PRESIDENTE

Bolsonaro diz que Brasil não tem intenção de intervir na Venezuela

ENSINO

Brasil avançou pouco em 10 anos no ensino de português e matemática

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Presidente da CCJ aguarda “melhora do cenário político” para indicar relator

DECLARAÇÃO DE IR

Contribuinte, entenda como doar parte do Imposto de Renda ao conselho da criança

REPERCUSSÃO

Prisão do ex-presidente Temer teve forte repercussão no Senado

PRISÃO DE TEMER

“É muito ruim para o país ter um ex-presidente preso”, diz Mourão

DEBATE

Proposta de aposentadoria dos militares divide deputados

REFORMA

Tratar reformulação de carreira junto com previdência dos militares foi um equívoco, diz Rubens Bueno

PREVIDÊNCIA

Economia com mudanças para militares será de R$ 10,45 bilhões

ENERGIA

Aneel diz que pagamento de empréstimos reduzirá tarifa

POLÍTICA

Moro pede ao Congresso que se debruce em pacote anticrime

CARNE

EUA vão informar em três dias quando virão inspecionar frigoríficos para liberar importação

CEPEA

PIB do agronegócio fecha 2018 com estabilidade

NO SENADO

Reforma da Previdência é o fim da seguridade, dizem debatedores na CDH

MINISTRO DO SUPREMO

"Pode espernear à vontade", diz Moraes sobre críticas a inquérito

TRAGÉDIA

Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Debate: Proposta da reforma é injusta com os trabalhadores e cobrará um "alto preço"

agência dream