Paranavaí
Min. 21°C Max. 28°C
MINISTRO/STF

Marco Aurélio diz estar "perplexo" com corrupção em doações oficiais

16/03/17 00:00:00 - Cotidiano > Política

BRASÍLIA - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ontem estar “perplexo” com os indícios de que prestações de contas oficiais de campanha foram utilizadas para lavar dinheiro de origem ilícita.
Na semana passada, a Segunda Turma do STF, onde são julgadas as questões relativas à Operação Lava Jato, tornou o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) réu, acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. 
De acordo com a denúncia da Procuradoria-Geral da República, ele teria recebido R$ 500 mil em propina por meio de doações oficiais para sua campanha ao Senado em 2010.
“Estou perplexo com os indícios de corrupção e de transformação da Justiça Eleitoral em lavanderia”, afirmou Marco Aurélio, que preside a Primeira Turma do Supremo e não participou do julgamento sobre a denúncia contra Raupp, mas elogiou a decisão de torná-lo réu, classificando-a como “um divisor de águas”.
Na avaliação do ministro, além de incorrer no crime de corrupção, quem se valeu de dinheiro ilícito em doações oficiais de campanha pode estar implicado ainda no crime de falsidade ideológica. “Cabe distinguir cada caso”, ponderou.
“CAIXA 2 É CRIME” - A respeito do caixa 2, Marco Aurélio disse que, independentemente de ser precedido do crime de corrupção, o ato é crime, com pena que pode chegar a cinco anos de prisão. “Se não houver prestação de contas, é crime pelo Código Eleitoral”, afirmou o ministro. Questionado se quem praticar caixa 2 deve ser punido, ele respondeu: “Sem dúvida”.
Na semana passada, o ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou, em entrevista à BBC Brasil, que o caixa 2 precisaria ser “desmistificado”. Hoje, ele disse ser preciso ponderar se as doações não declaradas são precedidas de corrupção. Caso contrário, poderiam ser consideradas uma contravenção menos grave, de “elisão eleitoral”. (Reportagem: Felipe Pontes, da Abr)

Cotidiano

POLÍTICA

"Temos que fazer mais", diz Moro sobre combate à corrupção no país

POLÍTICA

Bolsonaro diz que tendência no preço do combustível é se estabilizar

POLÍTICA

Bolsonaro diz que não pretende acabar com estabilidade de servidor

POLÍTICA

Bolsonaro: criminoso é quem deve temer a lei, não o cidadão

SENADO

Presidente diz que se Congresso derrubar vetos, regras sobre partidos podem valer para 2020

POLÍTICA

Rodrigo Maia: semana será decisiva para reforma da Previdência

POLÍTICA

Governo apresenta proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro

GOVERNO

Suspeitas de “candidaturas laranjas” são investigadas, diz ministro Moro

SENADO

Senadores propõem que salário mínimo em 2019 seja de R$ 1.006, como estimou Congresso

SENADO

“Vou trabalhar para derrubar veto ao Refis”, afirma Eunício

CÂMARA DOS DEPUTADOS

“Esse é um café velho e frio”, diz Maia sobre pauta econômica do governo

NESTA SEGUNDA

Paranavaí terá paralisação contra a reforma da Previdência

MANTÉM SUSPENSÃO

Marun: Governo não vai desistir do nome de Cristiane Brasil para a pasta do Trabalho

TEMER DIZ

Nada destruirá agenda de transformação

LAVA JATO

STJ nega pedido de habeas corpus de Eduardo Cunha

PREVIDÊNCIA

Para senadores aliados, Temer “perdeu timing” sobre recuo na Previdência

PEDE INVESTIGAÇÃO

Saiba o que vai acontecer com a lista de Janot

GOVERNO

Temer diz que quer ser lembrado na história por promover as reformas necessárias

CRISE/GOVERNO

Assessor de Temer pede demissão após ser envolvido em denúncias da Odebrecht

GOVERNO

Relatório do TCU indica que funções e cargos em comissão custam R$ 3,5 bi ao mês

agência dream