Paranavaí
Min. 20°C Max. 31°C
FINANÇAS

Paranaenses reduzem nível de endividamento no mês de maio

Percentual de endividados se mantém estável e as condições de pagamento das dívidas melhoraram. O cartão de crédito continua a concentrar a maior parte das compras, sendo citado por 64,7% dos paranaense

02/06/15 00:00:00 - Economia > Estadual

O percentual de famílias paranaenses endividadas ficou em 87,5% no mês de maio, de acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR). Os consumidores apresentaram estabilidade no endividamento ante abril (87%) e aumento na comparação com maio de 2014 (84,5%). No entanto, o percentual de paranaenses que se reconhecem muito endividados caiu de 24,1% em maio de 2014 e 25,4% em abril para 22,6%.  
Também há constância nas contas em atraso, com 26,9% dos entrevistados nessa situação. Em maio do ano passado e abril esse percentual era de 26,8%. A falta de condições para pagamento das dívidas baixou, tanto em relação a maio de 2014 (10,2%) quanto a abril (11,7%) e é vivenciada por 9,3% dos endividados.
O cartão de crédito continua a concentrar a maior parte das compras, sendo citado por 64,7% dos paranaenses, índice similar ao ano passado, quando o cartão representava 65% das modalidades de dívida. Na sequência, estão o financiamento de veículo (13,3%), o financiamento imobiliário (9,4%), os carnês (5,7%) e o crédito pessoal (3,5%).
A pesquisa também constatou diferenças entre as classes econômicas na utilização das modalidades de crédito. Os carnês são mais utilizados pelas famílias com renda até dez salários mínimos, com 6,6%, ante 1,3% entre aqueles que ganham acima desse patamar. Apesar de pouco utilizados, com 0,3% de menções no geral, os cheques pré-datados encontram mais adeptos entre os consumidores com renda familiar acima de dez salários mínimos (0,7%). Já o cheque especial caiu em desuso pelas classes A e B, enquanto continua com alguns usuários entre as classes C, D e E, sendo citado por 0,4% dos entrevistados.
Entre as famílias com contas atrasadas (que representam 26,9% do universo de endividados), em 50,1% delas o atraso é superior a 90 dias, o que as insere na categoria de inadimplentes.
O tempo médio de comprometimento com as dívidas é de 7,4 meses e o percentual médio da renda comprometida com dívidas é de 31,3%, sendo que 17,9% dos consumidores têm mais de 50% dos rendimentos vinculados a dívidas.

agência dream