Paranavaí
Min. 16°C Max. 27°C
AGROPECUÁRIA

Livre de aftosa sem vacinação, Paraná terá importantes ganhos econômicos

Foi o que defenderam autoridades ligadas à cadeia produtiva de proteína animal, durante fórum regional realizado ontem em Paranavaí

15/05/19 00:00:00 - Paranavaí > Local
Livre de aftosa sem vacinação, Paraná terá importantes ganhos econômicos Autoridades e lideranças marcaram presença no fórum regional realizado ontem, em Paranavaí

REINALDO SILVA
reinaldo@diariodonoroeste.com.br

A conquista do status de área livre de aftosa sem vacinação representará um avanço importante para a economia do Paraná. Confirmada a classificação, o estado terá a oportunidade de exportar proteína animal para países com exigências sanitárias estritas, como é o caso de Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos.
Para o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, aumentar a exportação garantiria incrementos significativos na produção de carne em todo o Paraná. “Será nossa chance de crescer”, declarou. 
De acordo com o gerente de Saúde Animal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Rafael Gonçalves Dias, a mudança de status sanitário beneficiará não somente a bovinocultura, mas, também, as produções de suínos e aves, além de toda a cadeia de insumos e implementos.
Dias informou que Santa Catarina é, até agora, o único estado brasileiro a alcançar a classificação de área livre de aftosa sem vacinação. Com isso, tem conseguido inserir proteína animal em alguns dos mercados mais exigentes. 
O diretor-executivo da Frimesa, Elias José Zydek, explicou que nos países em que as restrições sanitárias são rígidas, não é permitido comprar qualquer tipo de proteína animal de lugares em que os rebanhos bovinos precisam ser vacinados contra aftosa – mesmo que não haja registros da doença. 
Em relação à carne suína, Zydek informou que 65% dos países são fechados para a produção brasileira. A conquista do status de área livre da aftosa sem vacinação permitirá ao Paraná chegar a esses lugares e dobrar a exportação que hoje é de 100 mil toneladas por ano. Outra vantagem seria o incremento de 20% no preço do produto.
Os resultados serão positivos, disse o diretor-executivo da Frimesa. Com o aumento da produção paranaense de carne suína, os produtores terão faturamento mais alto e gerarão mais empregos. Assim, a economia do estado, de maneira geral, será beneficiada.
FÓRUM REGIONAL – Na tarde de ontem, Paranavaí sediou o primeiro Fórum Regional Paraná Livre de Febre Aftosa sem Vacinação. O evento reuniu produtores, profissionais técnicos, representantes sindicais e de entidades de classe. Foram mais de 1.000 participantes.
Na ocasião, foram apresentados números sobre a produção de proteína animal no Paraná. Em duas palestras, os presentes conheceram argumentos favoráveis à mudança do status sanitário do estado e de que forma impactará na economia.
MUDANÇAS ESTRUTURAIS – O secretário estadual da Agricultura e Abastecimento explicou que o processo para chegar até a classificação de área livre de aftosa sem vacinação tem sido longo. Foram décadas de imunização dos rebanhos até a erradicação da doença.
Depois, mesmo com a aftosa erradicada, foi preciso investir na construção de barreiras sanitárias, no fortalecimento da Adapar e na estruturação de sistemas de identificação dos rebanhos paranaenses. Em 2018, duas auditorias feitas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento atestaram a qualidade da produção paranaense.
De acordo com Ortigara, será necessário fechar a fronteira do Paraná com outros estados para a entrada de animais vacinados contra a aftosa. A partir de 1º de setembro, disse o secretário, o trânsito será proibido para bovinos de cria, recria e engorda.
Com todas as medidas devidamente aplicadas, a expectativa é que em setembro de 2020 o Paraná receba o certificado de área livre de aftosa sem vacinação. O reconhecimento internacional deverá acontecer em maio de 2021.
POSICIONAMENTO CONTRÁRIO – Diretor da Associação de Frigoríficos do Brasil (Abrafrigo), Jeremias Silva Júnior se posicionou contra a saída antecipada do Paraná do bloco de estados que integram o Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (Pnefa).
Na opinião dele, o fechamento das fronteiras paranaenses para a entrada de animais vacinados contra a doença afetará profundamente os produtores e os demais setores que mantêm relações econômicas com o Paraná.

Paranavaí

CONTRA O ABUSO SEXUAL INFANTIL

2.200 crianças vão participar do Encontro dos Príncipes e Princesas

PARANAVAÍ

Cinco salas de vacina estarão abertas no sábado para vacinação contra gripe

PARANAVAÍ

Microempresa fortalece a economia, diz coordenadora da Sala do Empreendedor

PARANAVAÍ

Diretor da Santa Casa fala em redução de despesas e mudanças de planejamentos

DEFESA DO CONSUMIDOR

Advogado de Paranavaí participará de reunião em comissão nacional da OAB

COOPERATIVA DE CRÉDITO

Cresol Pioneira inaugura agência em Paranavaí

PARANAVAÍ

CCJ da Câmara analisa projetos

FIQUE ATENTO

MEIs têm até dia 31 de maio para fazer a Declaração Anual do Simples Nacional

1ª DISCUSSÃO

Legislativo aprova lei que regulamenta a instalação de Parklet

PARANAVAÍ

Pedidos de isenção do IPTU 2019 podem ser feitos até dia 31 de maio

PARANAVAÍ

Vereadores aproam moção de apoio ao IFPR

CIDADANIA

Alistamento Militar de jovens que completam 18 anos em 2019 vai até o dia 30 de junho

SAÚDE

Já são seis municípios em epidemia de dengue no Noroeste do Paraná

PARANAVAÍ

MEIs terão semana dedicada a palestras, orientações e serviços gratuitos

PARANAVAÍ

Ainda não há data prevista para nova eleição do Sindoscom

OFICINAS

Semana terá oficinas comunitárias para discutir o Plano Diretor nos distritos

PARANAVAÍ

Grupo Médicos do Humor promove piquenique para a comunidade

MUDANÇA

Heron Radke deixa Secretaria de Segurança e Trânsito

PARANAVAÍ

Militares homenageiam patrono da PM do Paraná

DOMINGO TRÁGICO

Dois jovens executados a tiros em Paranavaí

diario do noroeste
agência dream