Paranavaí
Min. 20°C Max. 36°C
NOROESTE DO PARANÁ

Período de chuvas e calor aumentam risco de infestação pelo Aedes aegypti

16/02/18 00:00:00 - Região > Regional
Período de chuvas e calor aumentam risco de infestação pelo Aedes aegypti Descarte irregular de lixo contribui para a proliferação do mosquito - Fotos: Fabiano Vaz Fracarolli

Depois de alguns dias de chuvas, temperaturas chegando perto dos 30 graus centígrados. Os dois elementos combinados podem agravar uma situação preocupante para os municípios do Noroeste do Paraná: a proliferação do Aedes aegypti, mosquito que transmite dengue, zika, chikungunya e febre amarela.
Chefe regional de Vigilância Sanitária, Nilce Casado explicou que a maneira de evitar que os índices de infestação pelo mosquito cresçam é não deixar água acumulada em recipientes. Por isso, fundamental que os moradores verifiquem frequentemente os quintais, fazendo a limpeza sempre que necessário.
A orientação também vale para imóveis comerciais, onde os cuidados não devem ser diferentes: monitorar calhas, climatizadores, caixas d’água e outros reservatórios. O descarte irregular de lixo em terrenos baldios, margens de estradas e fundos de vale é outro hábito que precisa acabar.
CASOS - Dados preliminares da 14ª Regional de Saúde mostram que já foram notificados 205 casos suspeitos de dengue em todo o Noroeste do Paraná. Desse total, cinco tiveram resultados positivos, 137 foram negativos e 63 ainda estão sendo analisados em laboratório.
Na semana passada, tinham sido contabilizados seis casos positivos da doença na região. Depois de investigação mais criteriosa, descobriu-se que uma das pacientes não estava com dengue, apesar dos sintomas indicarem a presença do vírus.
INFESTAÇÃO - O índice de infestação pelo Aedes aegypti é um fator que precisa ser considerado quando se trata de combate ao mosquito. O Ministério da Saúde recomenda que não ultrapasse 1%, mas apenas um município do Noroeste do Paraná apresentou percentual menor: Jardim Olinda, com 0,5%.
A situação se mostra mais complicada em Amaporã, com 12,87%. Em Diamante do Norte, o índice é de 7%. Em Loanda, 6,9%. Em São João do Caiuá, 5,7%. Cruzeiro do Sul, Inajá, Itaúna do Sul, Nova Aliança do Ivaí, Planaltina do Paraná, Porto Rico, Querência do Norte e Santo Antônio do Caiuá têm mais de 4% cada.
A grande quantidade de mosquitos expõe a população ao risco de epidemia. É que se houver circulação do vírus, a transmissão poderá ocorrer de maneira rápida. O mesmo pode acontecer em relação às outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Região

NOROESTE DO PARANÁ

Inajá atinge números de epidemia de dengue, informa Secretaria de Saúde

SAÚDE

Campanha de vacinação contra o sarampo começa na segunda-feira

DENGUE

Mais dois municípios do Noroeste do Paraná em epidemia

IRETAMA

Celulares e até uma esmerilhadeira são apreendidos em carceragem

SAÚDE

Municípios do Noroeste contabilizam pelo menos 15 casos de dengue

POLÍCIA MILITAR

Casos de violência doméstica são registrados na região

BOMBEIROS

Operação Costa Noroeste contabiliza mais de 11 mil atendimentos

NOVO PRESIDENTE DA AMUNPAR

Freonízio Valente quer união para região Noroeste voltar a crescer

SAÚDE

Noroeste do Paraná está vulnerável à circulação do vírus da febre amarela

ELEIÇÕES 2018

Jair Bolsonaro ganhou nos municípios da Amunpar

GUAIRAÇÁ

Jovens invadem casa, dormem e são presos

NOROESTE

Duas Prefeituras da região com concurso aberto para contratação

PESCA

Primeiro dia de fiscalização da pesca termina com apreensões e multas

AÇÃO

Preso suspeito de integrar quadrilha que usava explosivos nos assaltos

GOVERNO/PR

Richa autoriza início de obras em duas rodovias do Noroeste

RANKING

Tião Medeiros é o político mais influente da região Noroeste nas redes sociais

BALANÇO

Mais de 3.400 procedimentos em saúde na Operação Verão

RIOS/NOROESTE

Pesca está liberada, mas com restrições

REGIÃO NOROESTE

Cléber da Silva assume cargo de prefeito de Inajá

QUERÊNCIA DO NORTE-ICARAÍMA

Presidente da Amunpar pede construção de ponte na PR-218

agência dream