Paranavaí
Min. 21°C Max. 32°C
EXPOPARANAVAÍ 2019

PM vai reforçar prevenção para inibir furto de celulares durante a Exposição

Polêmica! Quem é o melhor pós-Pelé?

  • Lateral Marcelo vira reserva no Real Madrid
  • Tardelli usa redes sociais para explicar opção pelo Grêmio
  • Pela quinta vez, Militão é eleito o melhor defensor do Português
  • Santos deve oferecer R$ 500 mil de salário para ter atacante Pato
  • Gabriel e Cássio se destacam no Torneio de Pênaltis
  • ABC
  • América-MG
  • América-RN
  • Asa
  • Atlético-GO
  • Atlético-MG
  • Atlético-PR
  • Avaí
  • Bahia
  • Boa Esporte
  • Botafogo
  • Bragantino
  • Ceará
  • Chapecoense
  • Corinthians
  • Coritiba
  • Criciúma
  • Cruzeiro
  • Figueirense
  • Flamengo
  • Fluminense
  • Goiás
  • Grêmio
  • Guaratinguetá
  • Icasa
  • Internacional
  • Joinville
  • Náutico
  • Oeste
  • Palmeiras
  • Paraná
  • Paysandu
  • Ponte Preta
  • Portuguesa
  • Santa Cruz - PE
  • Santos
  • São Caetano
  • São Paulo FC
  • Sport
  • Vasco
  • Vitória-BA
diario do noroeste
diario do noroeste
diario do noroeste

Colunistas

Tânia Mara
Dinei Feitosa
Sinopse Geral

Articulistas

André Maciel
EDENI MENDES
Fabiano Brum
Josué Ghizoni
Marcelo Rios
Márcia Spada
diario do noroeste
 - Domingo e Segunda | Edição 18.210
Diário Digital Domingo e Segunda | Edição 18.210 17/02/2019 Baixar
diario do noroeste
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
DINHEIRO

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano

A inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), neste ano deve ficar em 4,02%. Essa é a previsão de instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) todas as semanas sobre os principais indicadores econômicos.Na semana passada, a projeção para o IPCA estava em 4,01%. A estimativa segue abaixo da meta de inflação que é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%, neste ano.Para 2020, a projeção para o IPCA segue em 4%. Para 2021 e 2022, a estimativa permanece em 3,75%.A meta de inflação é 4%, em 2020, e 3,75%, em 2021, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para os dois anos (2,5% a 5,5% e 2,25% a 5,25%, respectivamente).O BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6,5% ao ano, para alcançar a meta da taxa inflacionária.De acordo com o mercado financeiro, a Selic deve encerrar 2019 em 7% ao ano e subir em 2020 para 8% ao ano, permanecendo nesse patamar em 2021 e 2022.O Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic para conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.Quando o Copom diminui a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.A manutenção da taxa básica de juros indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.Atividade econômicaAs projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi ajustada de 2,53% para 2,57% neste ano. Para os próximos três anos, a previsão de crescimento é 2,50%.A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar permanece em R$ 3,80 no final deste ano e de 2020.

Produção de veículos cresce 6,7% em 2018, diz Anfavea
ECONOMIA

Produção de veículos cresce 6,7% em 2018, diz Anfavea

A produção de veículos no país cresceu 6,7% em 2018 na comparação com o ano anterior. O dado foi divulgado ontem (8) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).De janeiro a dezembro do ano passado, o país produziu 2,880 milhões de veículos e, em 2017, 2,699 de unidades.Considerando apenas o mês de dezembro, a produção de veículos atingiu 177,7 mil unidades, com queda de 27,4% na comparação com novembro. Em relação a dezembro de 2017, a produção caiu 16,8%. LICENCIAMENTO - No período de janeiro a dezembro do ano passado, foram licenciados no país 2,566 milhões de veículos – o que engloba veículos leves, caminhões e ônibus –, com aumento de 14,6% em comparação a 2017.Em dezembro foram emplacados 234,5 mil veículos, com 1,6% de aumento em relação a novembro e de 10,3% em comparação com dezembro do ano passado.

diario do noroeste
diario do noroeste
diario do noroeste
VAMOS FALAR SOBRE DEPRESSÃO?
SAÚDE

VAMOS FALAR SOBRE DEPRESSÃO?

DEPRESSÃO - A doença do século

VASCULAR

Nada de generalizar: Problemas de circulação podem ter diferentes causas e tratamentos

SÃO PAULO - Dores ao caminhar, inchaço nas pernas e até mesmo o surgimento de feridas na pele, são sinais de que o fluxo sanguíneo não está como o desejado. Mas os problemas de má circulação não são todos iguais e podem estar relacionados a questões venosas e arteriais. A consulta a um especialista é fundamental para descobrir o tipo de problema e o tratamento mais adequado.No caso das doenças venosas - quando o sangue não consegue voltar para o coração e a insuficiência é refletida nas veias - os sinais são perceptíveis. Entre os mais comuns estão: varizes, inchaço nas pernas, queimação e sintomas como dor e peso nos membros inferiores. De acordo com cirurgião vascular do Hospital Edmundo Vasconcelos, Walter Campos (SP), o tratamento pode se dar tanto por meio do uso de medicamentos e de meias de compressão, quanto por intervenção cirúrgica, em casos considerados mais graves.Apesar do problema de circulação, em geral, ser associado com a má alimentação, no caso da doença venosa isso não causa uma piora. "O que intensifica o quadro é a obesidade, o número de gestações, uso de anticoncepcional, sedentarismo e ficar muitas horas em pé", dizO fator qualidade da alimentação pode interferir, no entanto, quando a complicação está ligada a uma doença arterial. "Colesterol, diabetes e pressão alta podem acelerar a evolução do quadro, fechando as artérias e desenvolvendo coágulos", alerta o cirurgião vascular.Assim como na alteração venosa, os sintomas são aparentes. Dores para caminhar, dores em repouso e aparecimento de feridas fazem parte do diagnóstico clínico. Neste caso, o tratamento consiste no controle dos fatores de risco- colesterol, diabetes e pressão alta. Walter Campos atenta que em casos graves da doença, a cirurgia é a alternativa mais indicada, a fim de evitar a amputação de membros.

diario do noroeste
agência dream