Paranavaí
Min. 16°C Max. 30°C

Articulistas

EDENI MENDES
EDENI MENDES
LITERATURA

O Casamento Mudou

25/10/16 - Articulista > EDENI MENDES

"Já não se faz mais casamento como antigamente".
A frase, de duplo sentido, pode significar o ritual, a festa ou a convivência diária.
Casamento virou superprodução com direito a roteiro de cinema, assessoria, estilista, cinegrafista, fotógrafos, organizadores, floristas, massagistas e mais uma infinidade de "istas" e de gente dedicada exclusivamente para que a ocasião seja inesquecível... Principalmente no bolso.
Já não se casa simplesmente pela celebração e pelo rito que, em última análise, deveria significar a comunhão, a união com propósitos de vida em comum embasada no sentimento mais nobre: o amor. Se assim fosse, bastaria a decisão, a oficialização e para quem quer o rito religioso.
Mas já não é bem assim. Há uma curva ascendente e voraz na exigência de igrejas decoradíssimas, vestidos exuberantes, cardápios nababescos e lembranças inesquecíveis. Às vezes o estímulo visual e sonoro é tanto que a data fica marcada não pela beleza ritualística do casamento, mas sim pelos efeitos especiais que, de tão gritantes, beiram o mau gosto.
Mas o casamento não mudou apenas na tentativa cada vez mais absurda de sobrepujar todos os casórios anteriores.
Há pouco mais de 50 anos, significava atingir o auge da ambição, principalmente a feminina. Se o sujeito fosse bonitão e bem sucedido, o famoso "partidão”, era a glória. 
Chegar solteira aos trinta? Jamais! Uma tragédia!
Na maioria das famílias a estrutura era paternalista e machista.
As pessoas se adaptavam, os sonhos eram readequados e os valores familiares seguiam uma cartilha que nem sempre permitia questionamento ou mesmo diálogo.
Neste cenário a mulher, com poucas exceções, era vista como colaboradora, dona de casa, mãe de família, uma verdadeira “rainha do lar”.
A infidelidade, e neste caso sobressaía a masculina, era tolerada como um comportamento "típico de homem".
Mulheres insatisfeitas e resignadas. Homens compelidos a determinados padrões para se enquadrarem ao papel que a sociedade lhes cobrava, geravam em muitos casos, relacionamentos quase que exclusivamente frustrantes. 
Felizmente isto mudou. E mudou rápido. 
Não há que se falar hoje em dia nesta figura feminina passiva e nem nesta figura masculina absurda.
Com algumas exceções que ainda colocam o casamento no auge da realização pessoal, a busca por um parceiro ou parceira não é mais questão de honra, de desespero, competência e nem de orgulho.
Mulheres e homens vivem muito bem sozinhos e muitos pensam duas vezes antes de assumir um compromisso se não tiverem absoluta certeza da qualidade dele.
Mas, por outro lado, a exigência atual para um bom relacionamento é gigantesca.
Não nos basta mais apenas segurança, o amor declarado, o companheirismo ou a estrutura familiar. Queremos mais. Queremos as viagens fantásticas, os jantares inesquecíveis, as surpresas constantes, os cenários de novela e a felicidade suprema, irrestrita, inquestionável, irreparável! O tempo todo! Todos os dias! Como um parâmetro indiscutível para a continuidade do casamento ou do relacionamento.
Para começar, isto não existe.
A mulher perfeita, leve e solta dos comerciais de margarina que anda sorridente pela praia, descalça e flutuante em seu vestido diáfano pode até existir em uma viagem de férias, após algumas taças de vinho ou quando recebe uma notícia maravilhosa. Na maioria das vezes, entretanto, é apenas uma criação da mídia.
Homens charmosos, elegantes, bem sucedidos e profundamente interessantes o tempo todo também são criações virtuais.
Portanto, este mundo utópico onde casais flutuam em alegria e felicidade inebriantes não é real e possui facetas bem menos glamorosas: as preocupações do dia a dia, as enxaquecas, as dívidas, os problemas na escola dos filhos, a insatisfação pessoal, a frustração dos planos e do desgaste cotidiano.
O humor varia, porque nossas emoções, sentimentos e pensamentos também são variáveis e é preciso compreender que há uma individualidade psicológica, social, física e emocional que muitas vezes não se comunica com a unidade buscada no relacionamento. Antes de sermos casal, somos pessoas com diferentes ciclos e ritmos.
E é exatamente neste contexto que oscila entre alegria e tristeza, satisfação e busca, frustração e encantamento, medo e felicidade que os verdadeiros casamentos devem sobreviver. Cá entre nós, é muito fácil viver um conto de fadas onde há sempre festa, mas quando os questionamentos surgem no meio da noite, é quando mais se precisa do carinho, do respeito, da compreensão e do amor que são os alicerces de qualquer relacionamento.
A maior mudança do casamento nestes últimos anos, entretanto, foi saber o que se quer "de" e "em" um relacionamento, onde sacrifícios e adaptações para apenas agradar ou para "manter as aparências" já não se justificam.
A violência da famosa “concessão" gera um saldo emocional e psicológico terrível que no final, inevitavelmente volta com as garras afiadas da cobrança e até da culpa.
Casamento (ou qualquer relacionamento estável) exige construção, valorização e crescimento. Pede igualdade, fidelidade, responsabilidade, entrega, comprometimento, sentimento e até mesmo devoção. Mas exige também compreensão. 
Compreensão de que é impossível buscar ter valor com base no valor do outro, compreensão de que ninguém muda simplesmente porque se casou ou resolveu unir as escovas de dente; compreensão de que é impossível ser feliz com base na felicidade de alguém. 
Portanto, quando estes objetivos não são alcançados, é comum a separação e a retomada da busca pela tão aclamada “felicidade”; seja sozinho ou acompanhado. Não importa. O que importa realmente é a satisfação.
Acima de tudo, porém, é preciso primeiro olhar no espelho e amar o que se vê, com toda a fragilidade, defeitos, medos e arestas. Só assim estaremos preparados e prontos para a entrega. Caso contrário, é possível que a união ou aquele casamento fantástico que custou os olhos da cara acabe sufocado pela intolerância, frustração, impaciência ou termine com as discussões absurdas e cheias de mágoa por assuntos tolos e irrelevantes como a nova cor das cortinas. 

Colaboração de Edeni Mendes da Rocha

Mais

EDENI MENDES 23/02/18

A (suposta) amiga oculta

EDENI MENDES 16/10/17

A Curiosa história do Batom - VERMELHO

EDENI MENDES 24/07/17

A arte de dizer NÃO

EDENI MENDES 08/03/17

Hostilidade

EDENI MENDES 24/11/16

Pais e Filhos

ver todas

Colunistas

Tânia Mara
Artigos
Dinei Feitosa
Sinopse Geral

Articulistas

André Maciel
EDENI MENDES
Fabiano Brum
Josué Ghizoni
Local
Marcelo Rios
Márcia Spada

Programe-se

19/06/19

Baile no Clube Idade Dourada, com as Bandas Karisma e Garrafão. Convite R$ 15 na Boca da Pimenta e no clube.

19/06/19

Baile sob a animação musical de Dudu, Kelly e Gil Vaqueiro, no Paranavaí Tênis Clube.

19/06/19

Reunião do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança), tendo na presidência Cláudio Miguel de Souza. Às 18h30, na Aciap.

20/06/19

Acampamento para Casais, realização da Paróquia São Sebastião – Santuário do Carmo, de 20 a 24 de abril. Contato: 3421-0400.

20/06/19

Palestra espírita proferida por Felipe Bonomi. Às 20h, no Centro Espírita André Luiz (Casa da Sopa).

22/06/19

Baile no Paranavaí Tênis Clube, com a Banda Santa Maria, de Maringá. Começa às 22h.

22/06/19

Café Colonial da Associação das Senhoras de Rotarianos (ASR) de Paranavaí, a partir das 14h, na Casa da Amizade. O evento beneficente festejará os 50 anos da Coordenadoria Distrital da A.S.R. Convite: R$ 30.

22/06/19

Reunião festiva com posse da Nova Diretoria do Lions Clube de Paranavaí, 20h30. Cândida Eulália Froes de Mendonça assumirá a presidência do clube.

23/06/19

Arraial de São João com Domingueira Dançante a partir das 17h, no Galpão Sertanejo, em Paraíso do Norte.

26/06/19

Reunião do CCCP (Conselho da Comunidade da Comarca de Paranavaí), às 18h, na Aciap. Cláudio Miguel de Souza é o presidente.

27/06/19

9º Festival de Dança de Paranavaí, no Centro de Eventos Armando Trindade Fonseca. Realização: Fundação Cultural de Paranavaí. Dias 27 a 29.

27/06/19

Baile no Paranavaí Tênis Clube, sob o comando musical da Banda Música G3, de Maringá. A partir das 20h.

27/06/19

Reunião do Núcleo Multissetorial Jovens Empresários e Empreendedores de Paranavaí (Aciap Jovem), sob a presidênciade Rubens Celestino Vila Júnior (Xuxa). Às 18h30, na Aciap.

27/06/19

Reunião do Núcleo Multissetorial Mulheres Empresárias e Empreendedoras de Paranavaí (Aciap Mulher), sob a presidência de Denise Pierin. Às 7h30, na Aciap.

27/06/19

“Honrai vosso pai e sua mãe”. Este é o tema da palestra de Edna Regina Cruz, às 20h, no Centro Espírita André Luiz (Casa da Sopa).

29/06/19

Baile ao som da Banda Chão Baileiro, de Paranavaí, no Paranavaí Tênis Clube. Começa às 22h.

01/07/19

Solenidade de posse do Conselho Diretor do Rotary Club Paranavaí Entre Rios, para o Ano Rotário 2019/2020. Pedro Donizete de Oliveira será o presidente.

06/07/19

Turnê 2019 Sopro, de Thiago Brado, em Rondon. O show inicia-se a partir das 22h.

15/07/19

XIII Semana Teológica, da Diocese de Paranavaí. 19h30, na Unipar, com o padre Alfredo Rafael Belinato Barreto. Será sobre o Espírito Santo. Vai até dia 19.

17/07/19

Reunião do Conseg (Conselho Comunitário de Segurança), tendo na presidência Cláudio Miguel de Souza. Às 18h30, na Aciap.

agência dream