Paranavaí
Min. 21°C Max. 30°C

Colunistas

Sinopse Geral
Sinopse Geral
ARTIGOS

SINOPSE GERAL

26/10/17 - Colunista > Sinopse Geral

DEPUTADOS estaduais aprovaram nesta semana na  Assembleia Legislativa projeto que determina que pessoas condenadas a prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica paguem pelo custo do equipamento e de sua manutenção. A proposta é dos deputados Márcio Pacheco e Gilberto Ribeiro e versa que serão obrigados a arcarem com esses custos presos que tenham condições financeiras para isso. Dessa forma, argumentam os autores, o equipamento do Estado ficará destinado a quem não tenha efetivamente condições de custeá-lo.

OS DEPUTADOS afirmam que a medida visa desafogar o sistema prisional do Paraná, já que, devido à escassez de recursos do Estado, a disponibilização do monitoramento eletrônico está comprometida. A conta apresentada pelos parlamentares revela que um preso custa ao Estado R$ 3.270,00, já o monitoramento eletrônico tem custo de R$ 300,00 mensais. Hoje são 3,2 mil usuários de tornozeleira e se o projeto já estivesse valendo o número seria de 6 mil casos de ‘liberdade vigiada’.

BANCADA de oposição na Assembleia Legislativa tem cobrado do deputado Ratinho Júnior que se posicione em relação às matérias polêmicas encaminhadas pelo Palácio Iguaçu, notadamente as que envolvem interesses dos servidores. É que desde que assumiu o mandato, no inicio de setembro, Ratinho Júnior ausentou-se do plenário em duas votações polêmicas: na votação da proposta do governo que estabelece um teto de gastos e na votação do projeto 556, que congela salários dos servidores. Nas duas votações, segundo o líder da oposição, Tadeu Veneri,  o pré-candidato do PSD ao governo do Estado estava na sessão, ausentando-se justamente no momento das votações

TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná) atingiu na última quinta-feira a marca de 2.031.899 eleitores recadastrados biometricamente no estado apenas neste ano. Isso representa exatos 100,20% da meta de 2.027.933 eleitores revisados, prevista pelo Tribunal Superior Eleitoral para 2017, faltando ainda dois meses para o término do prazo de revisão, que vai até 15 de dezembro.

NÚMERO de pessoas com HIV no Paraná vem aumentando nos últimos anos. No estado, foram 1.490 casos em 2013 e 2.631 em 2016, segundo dados do governo estadual. Já o número de casos de Aids teve uma leve queda a partir de 2013. Isso se deve, entre outros fatores, à liberação de tratamento com agentes retrovirais para qualquer portador do vírus. Em 2013 foram registrados 1.677 novos casos de Aids, enquanto em 2016 foram diagnosticados 1.202 casos. Um dos motivos pelos quais as pessoas têm se prevenido menos seria o fato de que a doença, hoje, não seria mais fatal.

PESQUISA Pecuária Municipal (PPM), realizada pelo IBGE mostra que a produção nacional de ovos de galinha foi de 3,82 bilhões de dúzias em 2016 - alta de 1,3% em relação a 2015, cuja produção foi de 3,77 bilhões de dúzias. O estado de São Paulo concentrou 26,7% da produção ou 1,02 bilhão de dúzias. A análise aponta que houve produção de ovos de galinha em 5.414 municípios em 2016. Bastos-SP seguiu na liderança com 250,5 milhões de dúzias de ovos ou 6,6% da produção nacional. Santa Maria de Jetibá-ES, Itanhandu-MG e Primavera do Leste-MT vêm a seguir. O país tinha 218,73 milhões de galinhas poedeiras em 2016. O efetivo de poedeiras recuou 1,5% em relação a 2015. O principais estados produtores em 2016 foram (em dúzias): São Paulo (1.020.540), Paraná (375.526), Minas Gerais (365.023), Rio Grande do Sul (326.172, Espírito Santo (274.360), Santa Catarina (229.460).

CONSULTOR Carlos Marins, em palestra sobre os destinos políticos e econômicos do Brasil para os próximos aos a grandes investidores, disse que se houver uma chapa Jair Bolsonaro tendo como vice um representante evangélico, há grandes chances de sucesso, porque, hoje, 30% dos eleitores do país são evangélicos. As igrejas evangélicas captam perto de R$ 21 bilhões por ano. Segundo Marins, Marina Silva também ficaria forte na ausência de Lula e o PSDB e PT estarão com rejeição elevada em 2018.

DEPUTADO estadual Edson Praczyk (PRB) não irá concorrer a um novo mandato. A decisão é da Igreja Universal do Reino de Deus, na qual é pastor, que já escolheu seu representante nas próximas eleições: o pastor Alexandre Amaro. Praczyk conta que não sabe os motivos de sua substituição, mas que se submete à decisão do Conselho de Bispos e Pastores da Igreja até porque – diz ele – só “está” deputado (este é o seu quinto mandato) porque teve o apoio da instituição.

NÃO é só o deputado estadual Edson Praczyk que teve sua candidatura cassada pela Igreja Universal, que comanda o PRB. O bispo Oliveira Filho também fica fora do jogo e não disputará cadeira de deputado federal. Foi substituído pelo bispo Aroldo Martins, indicação do Conselho dos Bispos e Pastores da Igreja Universal. Martins é um dos quadros políticos da Universal. Obedece ao projeto de levar o PRB ao topo, ou seja, à presidência da República com o bispo Edson Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, que será candidato em 2022. Martins já foi candidato em S. Paulo, mas não se elegeu.

NO PARANÁ cerca de 100 mil títulos de dívidas são encaminhados a protesto por mês com o objetivo de recuperação de créditos. Desse total, mais de 85% são duplicatas de venda mercantil, ou seja, boletos. O procedimento extrajudicial prevê o prazo de três dias para quitar a dívida. Se não efetuar o pagamento, o devedor é protestado e automaticamente incluído no Banco de Dados do Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil. A central disponibiliza as informações sobre os protestos a partir das informações enviadas pelos tabeliães participantes, e a consulta é gratuita pelo site: www.pesquisaprotesto.com.br.

BRASIL
só crescerá mais que três países sul-americanos em 2017 e 2018: a devastada Venezuela, o Suriname e o Equador, segundo as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI). O crescimento brasileiro foi estimado em 0,7% para este ano e 1,5% para o próximo, e o País deve ficar atrás dos demais, excetuados aqueles três. A economia venezuelana, arrasada pelo bolivarianismo, deve encolher 12% e 6% em cada um dos dois anos, continuando a trajetória já seguida nos três anteriores.

NEGOCIAÇÕES para a delação de Antonio Palocci seguem de vento em popa com a força-tarefa em Curitiba. Mas, em Brasília, com a PGR de Raquel Dodge, ainda não foram retomadas, diz o jornalista Lauro Jardim no jornal O Globo.

CRIAÇÃO de um fundo público bilionário para o financiamento das eleições de 2018 não deve acabar com uma prática antiga no País: o chamado ‘caixa 2’ - uso de recursos não declarados durante a campanha. Essa é a avaliação feita por dirigentes e líderes partidários das 12 maiores legendas nacionais. Ao serem questionados sobre o assunto, a maioria dos políticos do PMDB, PT, PSDB, PSD, PP, DEM PR, PTB, Podemos, PRB, PDT e PSB admite que o caixa 2 continuará existindo. Na esteira das revelações da Operação Lava Jato, o STF decidiu proibir a doação empresarial a candidatos em 2015. Diante da necessidade de financiar as campanhas e da constatação de que a arrecadação por pessoa física ainda não emplacou no País, o Congresso articulou a aprovação de um fundo eleitoral com dinheiro público que pode chegar a R$ 2 bilhões.

AVALIAÇÃO, no entanto, é de que o dinheiro não será suficiente para cobrir os gastos de campanha, especialmente dos grandes partidos, que costumam lançar candidato à Presidência e a governos estaduais. Pelos valores declarados ao Tribunal Superior Eleitoral, a eleição de 2014 teve custo total de R$ 5,1 bilhões. O discurso entre a classe política é de que o cenário atual também terá de refletir em um barateamento das campanhas, que costumam alcançar cifras milionárias. Em 2014 a campanha de Dilma Rousseff custou R$ 318 milhões - a mais cara desde a redemocratização, em 1985.

FRASE: De nada valia o poder dos reis, se antes não valesse a autoridade (Quinto Cúrcio)

Mais

Sinopse Geral 04/12/19

SINOPSE GERAL

Sinopse Geral 03/12/19

SINOPSE GERAL

Sinopse Geral 30/11/19

SINOPSE GERAL

Sinopse Geral 28/11/19

SINOPSE GERAL

Sinopse Geral 27/11/19

SINOPSE GERAL

ver todas

Colunistas

Tânia Mara
Artigos
Dinei Feitosa
Sinopse Geral

Articulistas

André Maciel
EDENI MENDES
Fabiano Brum
Josué Ghizoni
Marcelo Rios
Márcia Spada

Programe-se

agência dream